Foto: AP/The Denver Post, Karl Gehring
Era pra ser mais uma noite qualquer para algumas pessoas que foram ao cinema acompanhar a estreia de Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge. Porém, a noite de diversão terminou em tragédia e doze pessoas perderam a vida, chocando os EUA e o mundo todo.
Dirigido por Christopher Nolan e protagonizado por Christian Bale, o filme marca o fim da trilogia iniciada em 2005 e devido ao sucesso anterior, se tornou uma das mais aguardas produções do ano. Em locais onde o filme estreou na sexta-feira (20), o público lotou as salas de cinemas, como aconteceu em Aurora, na cidade de Denver, estado do Colorado. O que ninguém esperava era que uma cena de tiroteio se repetisse na vida real.
Segundo informações da polícia e imprensa local, o jovem James Holmes, 24 anos, comprou o ingresso para a sessão, entrou na sala onde o filme seria exibido e a deixou minutos depois. Quando o filme passava de seus primeiros trinta minutos, Holmes entrou por uma porta lateral, usando uma máscara de gás, e lançou uma bomba de gás lacrimogênio. Em seguida, fez um disparo no ar, antes de abrir fogo contra os espectadores. Testemunhas disseram que o atirador subiu as escadas do cinema e atirou em quem via pela frente. No total, doze pessoas foram mortas e mais de 50 ficaram feridas. Daniel Oates, chefe de polícia da cidade, disse que o atirador foi preso em um estacionamento atrás do cinema, onde estava um carro usado por ele antes do assassinato em massa.
O presidente norte-americano, Barack Obama, cancelou compromissos oficiais de sua campanha eleitoral – as eleições presidenciais acontecem no dia 6 de novembro – e decretou seis dias de luto. Obama afirmou ainda que o responsável pagará por seu ato. Em um texto divulgado à população, Obama diz: “Minha administração fará o que for necessário para dar apoio à população de Aurora neste momento extraordinariamente difícil”.
Ao ser preso, Holmes disse que havia explosivos em sua residência e a polícia entrou em ação, sem saber o tempo que levaria para resolver esse problema. Na tarde de sábado (21), a polícia detonou as bombas de forma controlada. Para a operação, a polícia isolou cinco prédios próximos, já que havia uma armadilha com fios e explosivos que poderiam ser detonados a qualquer momento. O Departamento de Polícia de Aurora declarou: “A detonação controlada foi bem-sucedida. Ainda há mais trabalho a fazer dentro do apartamento, incluindo lidar com outros dispositivos. É possível que sejam feitas novas detonações controladas”.
Como costuma acontecer em tragédias semelhantes, a população norte-americana se uniu em uma vigília durante a madrugada. Flores, cartazes, fotos, velas e bandeiras do país foram usadas para homenagear as vítimas da tragédia.
A tragédia em Aurora repete o que já aconteceu em outras oportunidades nos Estados Unidos e também em outras partes do mundo, como o próprio Brasil. Em 1999, também no Colorado, dois jovens atiraram em colegas e professores do Instituto Columbine, deixando 13 mortos e 21 feridos. Mais recentemente, no bairro de Realengo, Rio de Janeiro, Wellington Menezes de Oliveira, 23 anos, invadiu a Escola Municipal Tasso da Silveira e assassinou doze crianças, entre 12 e 14 anos.