Clube da Insônia, Tico Santa Cruz, ilustrações de Carlinhos Muller, 1ª edição, Caxias do Sul-RS: Belas-Letras, 2012, 104 páginas

Compositor, escritor e poeta, Tico Santa Cruz ficou conhecido por liderar a banda Detonautas Roque Clube, fundada em 1997. Além da banda, Tico possui projetos sociais, como o grupo Voluntários da Pátria, que leva música, poesia e debates sócio-políticos a escolas, universidades e penitenciárias.
Em Clube da Insônia, primeiro livro de Tico Santa Cruz, encontramos textos que mostram a personalidade e os ideais do escritor carioca. Muitas vezes criticado por sua forma de pensar, o autor não tem medo de expor sua opinião sobre os mais variados assuntos e esse é o diferencial em Clube da Insônia, que como o título sugere, foi escrito durante a madrugada, a melhor hora para trabalhar com a arte – independente de qual seja ela.
Dividido em duas partes, encontramos textos em vários gêneros, como poesias, crônicas e contos. Na primeira parte, é o lado pessoal do autor que está explícito em cada página e palavra; enquanto na segunda parte, a opinião do autor sobre a sociedade é mais explorada, o que faz com se torne ainda mais aproveitado para o leitor.

“Consciência não é um remédio que se compra no mercadinho; consciência é entender que dentro de você existe uma voz que se preocupa com os demais, mesmo que os demais não se preocupem com eles mesmos.” (pág. 13).

No caso das crônicas, o autor escreve de tal forma que a leitura se torna rápida, não deixando de lado o bom humor característico desse estilo. Com crônicas marcantes, a opinião de Tico Santa Cruz é sempre forte, capaz de permanecer em pensamentos e gerar reflexões sobre alguns assuntos importantes, como a política e a desigualdade.
Assim como acontece com suas composições, sempre com versos fortes, os contos em Clube da Insônia relatam histórias reais - ainda que sejam até certo ponto simples - e que infelizmente estão presentes na nossa socidade. Para quem está acostumado com os versos de suas músicas, não encontrará diferença em seu estilo. Esse gênero mostra a capacidade literária e a grandiosidade de Tico também na prosa.
Em trechos poéticos, Tico Santa Cruz mostra os sentimentos despertados durante uma noite de insônia. Seja no amor ou na família; em reflexões sobre si mesmo e sobre seu passado; em críticas a sociedade e suas diversas divisões; ou nos desabafos que causam reflexões, principalmente quando tratam da realidade.
Não é difícil perceber o lado musical de Tico Santa Cruz. Ainda que na prosa isso também seja percebido pela maneira que as palavras são usadas, tudo é ainda mais claro nas poesias, sejam elas sentimentais ou não. No atual momento da política brasileira, é importante destacar Aperta o Verde e Senado Finado, os melhores protestos em Clube da Insônia. No primeiro, Tico pergunta: “Vou acreditar em quem?” e logo em seguida responde: “Vou acreditar em você. Tá creditado. Aperta o verde e confirma. Confirmado”; já no segundo, o autor cita que o “Nosso senado, finado, acovardado, anda de braços dados com a impunidade e com a maledicência da nação” - um bom momento para usar essas palavras - e mais tarde exclama “Senado de MERDA! CONGRESSO sem moral”. São apenas dois exemplos dessa obra rica e mostram o que o leitor pode esperar na estreia de Tico no mercado literário.

“Para ser feliz com alguém, é preciso se suportar. É preciso não jogar a responsabilidade na companhia alheia. É necessário ouvir o canto da serei e não se jogar no mar.” (pág. 37).

Se o conteúdo já é bom, a arte por trás desse livro é ainda melhor. A diagramação contem excelentes detalhes, como as páginas em preto, e a tipografia, mas o maior ponto poitivo está no envolvimento das ilustrações de Carlinhos Muller, que ficou responsável por representar os textos através dos desenhos. Um trabalho em conjunto que deu um toque a mais ao livro.
No fim, Clube da Insônia é destinado a um grande público, com raras exceções. Ao contrário do que pode parecer, não apenas os fãs de todo o trabalho do músico devem dedicar um tempo a essa leitura, mas também aqueles de opiniões formadas e que podem concordar, ou discutir, pontos expostos por Tico. Já os leitores que não aceitam a escrita clara do autor, podem se assustar e encontrar aqui uma leitura carregada, ainda que seja um livro fantástico – e a partir de agora favorito.
Antes desse livro, Tico Santa Cruz já era uma figura importante, sobretudo no cenário musical independente. Toda admiração pelo músico aumentou, pois ele é um cara que, com a sua própria maneira, é capaz de mudar a forma de pensar das pessoas. Existindo essa mudança, a chance de a sociedade melhorar é muito maior. Com suas palavras ele é capaz de realizar essa mudança, ainda que em uma escala pequena ao que é realmente necessário.

“Fazer tudo ao contrário do que é pregado hoje em dia talvez seja a melhor forma de não compactuar com esse conformismo tolo e com essa postura "certinha" para vender cosméticos e propagandas.” (pág. 84).

Deixe um comentário