Ao longo dos três dias do III Pin Pin de Literatura Edgard Cavalheiro, diversas serão as atrações. Para expandir a qualidade do evento, artistas de várias partes do país estarão presentes no Theatro Avenida de Espírito Santo do Pinhal, onde apresentarão palestras e farão parte de mesas de escritores. Abaixo você pode conhecer um pouco mais dos principais nomes que estarão no evento que se inicia no próximo dia 21:

Ferreira Gullar
Nasceu em São Luís do Maranhão em 10 de setembro de 1930. Em 1954 publicou “A luta corporal”, livro que abriu caminho para o movimento da poesia concreta. Levando suas experiências poéticas às últimas consequências, considerou esgotado esse caminho em 1961, e voltou-se para o movimento de cultura popular, integrando-se à UNE, de que era presidente quando sobreveio o golpe militar em 1964. Forçado a exilar-se do Brasil em 1971, escreve em 1975, em Buenos Aires, o seu livro de maior repercussão, “Poema Sujo”, publicado em 1976 e considerado por Vinicius de Moraes “o mais importante poema escrito em qualquer língua nas últimas décadas”. Em 2011, Ferreira Gullar recebeu os Prêmios Jabuti de Melhor Livro do Ano e de Melhor Livro de Poesia pelo livro “Em alguma parte alguma”.

Cristiane A. Sato
Formada em Direito pela Universidade de São Paulo, pesquisadora de mangá e animê, presidente da ABRADEMI – Associação Brasileira de Desenhistas de Maná e Ilustrações, colaboradora de publicações sobre cultura popular japonesa, mangá e animê desde 1996. Traduziu mangás e animês para TV. Palestrante convidada em eventos diversos no Centro Cultural Itaú, SESI, SESC, FAU-USP, Fundação Japão, Embaixada do Japão em Brasília, Consulado Geral do Japão, etc. Autora do livro Japop – O Poder da Cultura Pop Japonesa.

Ricardo Ragazzo
Nasceu e cresceu na maior metrópole da América Latina. Em 1995, aos 20 anos de idade, mudou-se para São Francisco. Lá teve contato pela primeira vez com o jogo de RPG (Role-Playing Games). Ao voltar ao Brasil, aprofundou-se no assunto criando histórias para serem jogadas sempre pelo mesmo grupo de amigos. Bacharel em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, trocou de ramo antes mesmo de se formar, vivendo hoje como administrador de empresas.
Em 2008 decidiu criar um blog onde pudesse despejar todas as histórias que habitavam sua cabeça e, menos de um ano depois, já auto publicava um livro de contos a.C/d.C (antes destes Contos – depois desses Contos) pela Editora Baraúna. Graças ao árduo trabalho com o consultor literário internacional James McSill, escreveu seu primeiro thriller de suspense intitulado “72 Horas para Morrer” publicado pela Editora Novo Século.


Carlos Matos
É fundador e diretor do site de notícias Startupeando e também da agência digital Onlineando. Possui formações em jornalismo e comunicação, pela Anhembi Morumbi, em economia, pelo Mackenzie, e em web design e programação, pela Belas Artes. Entre 2006 e 2011 liderou a sucursal latino-americana da agência britânica Steel Business Briefing. Trabalhou como editor no portal da revista HSM Management e como repórter no jornal DCI, por três anos. Em comunicação corporativa assessorou a Associação Brasileira do Alumínio, a Yoki e outros. Heavy-user na internet produz também conteúdo para mídias sociais, blogs, revistas digitais, além de efetuar traduções para empresas argentinas, uruguaias e francesas no Brasil. Na República dos Escritores, foi responsável pela reformulação da identidade visual e comunicação da entidade.

Thiago Ururahy
Nasceu em São Paulo, capital. Hoje reside na cidade litorânea de Santos. Formado em Economia pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade pela USP, Thiago trabalho no mercado financeiro por longos oito anos, até resolver levar adiante sua real vocação: contar histórias.
A formação acadêmica e a fascinação por esportes – principalmente baseball e futebol americano – talvez sejam as experiências mais marcantes em seus textos, cujo principal objetivo, nas próprias palavras do autor é “além de entreter e dar ao leitor uma opção à velha programação televisiva, eu procuro basear a minha escrita em pilares da sociedade e do comportamento humano, seja analisando nossas paixões ou expondo as veias abertas dos nossos grandes erros do passado”.

Valéria Aparecida Rocha Torres
Nasceu em Espírito santo do Pinhal em 25 de fevereiro de 1964, cursou o primário e o ginásio na Escola Estadual Cardeal Leme. Graduou-se e tornou-se mestre em História Social pela Unicamp. Organizou duas revistas que tratam da História de Espírito Santo do Pinhal respectivamente em 1999 e 2008. Pelo fato de ser professora universitária possui alguns artigos científicos publicados – obrigação de ofício. Por prazer escreve sobre memória, história, patrimônio, preservação, ética, cidadania e muito mais numa coluna no Semanário A Cidade com dois parceiros fantásticos, a coluna se chama Pontos Cardeais que é um trocadilho bem humorado em honra ao Cardeal Leme.

Marly de Alencar Xavier Bartolomei
Nasceu em Machado (MG) na fazenda de seu pai. Foi, porém criada em São Paulo desde os três anos de idade. Teve grandes influência de seu pai, advogado e professor de história, cujos livros leu desde pequena, em sua grande biblioteca. Entrou na Faculdade de Filosofia da PUC-SP, mas logo se casou não se formando formalmente, sendo, portanto autodidata. Vindo para Espírito Santo do Pinhal, interessou-se pela história da fazenda onde morava que era do fundador da cidade, e, por extensão, por todos os moradores que marcaram época na localidade. Ficando viúva, tomou conta da fazenda e montou uma pousada para acabar de criar os filhos. É, portanto fazendeira e empresária, além de escritora.

Sílvio Tamaso D’Onófrio
Pinhalense, desde 2007 pesquisa a vida e obra do escritor Edgard Cavalheiro. Bacharel e licenciado em Letras pela Universidade de São Paulo, mestre em Filosofia da Cultura pelo Instituto de Estudos Brasileiros da USP, membro do Núcleo de Estudos de Epistolografia e bolsista CAPES.

Jorge Scélova de Semenovitch
Mineiro de Belo Horizonte, é arquiteto e auditor fiscal da Receita Federal, aposentado. Trabalhou na Fundação Getúlio Vargas na Assembleia Legislativa e na Secretaria de Turismo do Estado da Guanabara; faz parte da diretoria do Instituto de Arquitetos no Brasil/RJ, trabalhou na diretoria da Estrada de Ferro do Corcovado; foi conselheiro do CREA/RJ. Autor do livro “Corcovado – A Conquista da Montanha de Deus”.

Moacir Amâncio
Poeta, jornalista, professor de língua e literatura hebraica, na FFLCH da Universidade de São Paulo. É autor de “Ata” (Rio de Janeiro, editora Record, 2007), entre outros livros de poemas, ensaios, reportagens e crônicas. “Yoná e o Andrógino” (Nankin: Edusp, 2010), é o seu livro mais recente.




Márcia Tiburi
Graduada em filosofia e artes e mestre e doutora em filosofia. Publicou, entre outros, as antologias “As Mulheres e a Filosofia”, “O Corpo Torturado” e “Mulheres, Filosofia ou Coisas do Gênero”. Em 2011 publicou “Olho de Vidro – a televisão e o estado e exceção da imagem”. É professora do programa de pós-graduação em Arte, Educação e História da Cultura da Universidade Mackenzie e colunista da Revista Cult. Márcia participou durante cinco anos do programa de TV – Saia Justa, exibido semanalmente pelo canal GNT, ao lado de Maitê Proença, Bety Lago e Mônica Waldvogel.

Antônio Torres
Nascido num povoado chamado Junco (hoje a cidade de Sátiro Dias, no sertão baiano), em 1940, Antônio Torres foi jornalista em Salvador e São Paulo. Viveu também em Portugal, em Lisboa e no Porto. Hoje, mora em Itaipava, Petrópolis, na Região Serrana do Ri ode Janeiro. É autor de 17 livros, alguns deles com várias edições no Brasil e traduções em muitos países. Descrevendo temáticas rurais com a mesma desenvoltura com que passeia por cenários urbanos e da História – como em “Meu querido canibal” e “O nobre sequestrador” – já conquistou prêmios importantes, entre eles o Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras, pelo conjunto da sua obra, e o Zaffari & Bourbon, da 9ª Jornada Nacional de Literatura de Passo Fundo, RS, além de ter sido condecorado pelo governo francês como Chevalier des Arts et des Lettres, por seus livros traduzidos na França. Entre os seus romances, se destacam os da trilogia formada por “Essa terra”, “O cachorro e o lobo” e “Pelo fundo da agulha”.