Um Olhar de Amor, Bella Andre, tradução de Bárbara Menezes, 1ª edição, Ribeirão Preto-SP: Novo Conceito, 2012, 256 páginas.

Com mais de 20 livros publicados, Bella Andre, autora best-seller do The New York Times, é casada e tem dois filhos. Seus livros fazem uma mistura de sensualidade com romantismo e por isso são classificados como eróticos. A principal pergunta a se fazer é: até que ponto os livros da Série Bella Andrecomo foi intitulada no Brasil – fazem parte do grupo de livros eróticos que se tornaram febre nos últimos meses?
Em Um Olhar de Amor, primeiro livro da série, conhecemos o fotógrafo Chase Sullivan, um dos oito irmãos de uma família unida. Para Chase, sua vida é perfeita do jeito que está. Sua visão sobre a própria vida começa a mudar após a noite chuvosa em que encontra Chloe Peterson com o carro destruído em uma estrada. Chase não demora a oferecer ajuda e convence Chloe que o melhor é ir para a propriedade de um de seus irmãos.
Chase logo percebe que Chloe está enfrentando graves problemas em sua vida, mas no primeiro momento não tenta entender o que está acontecendo com a mulher. Aos poucos o rapaz ganha a confiança de Chloe, mas no passado ela jurou nunca mais confiar em homem algum. Chase não irá desistir, principalmente depois que a relação entre eles se torna intensa, a ponto de que tudo o que desejam é estar juntos em busca de prazer.

“Ela estava deslumbrante.
Não por causa do luar. Não por causa do vestido.
Por causa dela mesma.
Nenhuma outra mulher tinha lhe tirado o fôlego dessa forma. E ele não conhecia nenhuma outra que um dia pudesse provocar esse efeito.
Apenas ela” (pág. 94).

O principal medo antes de iniciar a leitura de Um Olhar de Amor era que o livro se focasse apenas na relação sexual entre as personagens principais. Algumas resenhas dizia que sim, o livro era baseado apenas nisso; outras diziam o contrário, que havia uma história por trás do sexo, apesar de nada muito empolgante. Ao término da leitura ficou claro que ninguém irá encontrar uma história convincente, até porque tudo é previsível, e talvez por isso o sexo acabe se destacando em um livro sem nada de novo a oferecer.
Outra questão fundamental era saber se o livro se encaixava na onda erótica que tem tomado espaço no mercado editorial mundial. A resposta apareceu na primeira cena mais quente: não, não tem nada relacionado a esse tipo de literatura. Apesar de até então não ter lido nenhum livro do gênero, Um Olhar de Amor possui elementos que já encontramos em vários outros gêneros literários, mas às vezes sem explorar isso durante todo o livro. Nesse caso, Bella Andre usa e abusa das cenas de sexo, sem chegar a vulgaridade, o que está sendo comum nos demais livros classificados como eróticos.
O único ponto interessante acaba sendo a escrita da autora, seja em cenas normais ou em cenas explícitas, ou ainda ao intercalar a narrativa entre os protagonistas. Em nenhum momento o livro se torna cansativo e a leitura acaba fluindo com rapidez, apesar de o sexo ser repetitivo. Parte disso se deve a qualidade das descrições, já que Bella Andre consegue narrar o mesmo com várias formas diferentes, usando situações diferentes. A mesma coisa ganha outras características graças as palavras usadas por Bella.
O primeiro livro da série – e talvez os demais livros da autora – é protagonizado por um personagem masculino visto como herói, principalmente por suas atitudes, e uma mocinha indefesa, que mesmo não querendo acaba se apaixonando, se entregando. Apesar de que o uso desses dois elementos tenha a intenção de que o leitor se apaixone pelos personagens, isso não acontece; ambos os personagens não agradam e passam o livro inteiro sem se destacar. Apenas no final a história de Chole acaba envolvendo o leitor, mas nada que surja a intenção de que a personagem continue em outros livros. A não ser Marcus Sullivan, protagonista de Por um Momento Apenas - próximo livro da série -, que aparece em poucos momentos e por isso existe a curiosidade de conhecê-lo melhor.
Pelo menos a capa realmente passa a ideia de um livro sensual, com o uso de tons claros e detalhes que lembram um vinhedo, o que tem uma grande relação com a história. A troca de olhares entre os modelos também se destaca, assim como diz The Look of Love, de Diana Krall, música que deu origem ao livro: “Seja minha essa noite. Que essa seja apenas o começo de tantas noites como essa. Vamos fazer uma promessa de amantes e depois selar com um beijo”.
Tudo isso mostra que os próximos livros têm tudo para ser recheado de cenas de sexo, com alguma história simples por trás do encontro entre as personagens e conversa, muita conversa. Caso isso realmente aconteça, ficará provado que toda a série se resume ao clichê, unindo uma história que não poderia ser de amor – já que não chega a emocionar - com o sexo, que de uma forma ou de outra não tem nada de novo a ser mostrado. Mas mesmo que os demais livros se resumam a isso, esse tipo de história vende. Ou seja, será sempre um sucesso.

“E ele abriu mais as pernas dela, antes de cobri-la com a boca, e ela se segurava nele como se disso dependesse sua vida, sabendo que nunca sobreviveria àquele prazer, era grande demais, completo demais, doce demais para ser real.
Para ser dela” (pág. 165).

Deixe um comentário