Gol de Esquerda, Ronny Someck, tradução de Moacir Amâncio, 1ª edição, São Paulo-SP: Annablume Literária, 2012, 118 páginas.

Apesar de ter nascido em uma família judaica em Bagdá, o poeta Ronny Someck se mudou para Israel quando tinha apenas dois anos e ali morou por toda a sua vida, tornando-se assim o poeta israelense mais traduzido no mundo, além de ser um dos principais nomes da poesia oriental e ter recebido o Prêmio Yehudá Amihai de Poesia Hebraica.
O primeiro livro de Someck a ser lançado no Brasil é Gol de Esquerda, uma coletânea que reúne diversas poesias que retratam a cultura do país em que vive e a visão do autor sobre tudo vivenciado ao longo de sua vida, inclusive a guerra, os conflitos pessoais, familiares e até mesmo de relacionamento com pessoas de dentro e fora do estado israelense.

“Nós estamos colocados em cima do bolo
como bonecos de noivo e noiva.
Quando vier a faca, ainda
tentaremos ficar na mesma fatia” (Poema da Felicidade – pág. 31).

Traduzido pelo escritor e conceituado jornalista Moacir Amâncio, vencedor do Prêmio Jabuti em 1993 principal premiação da literatura nacional –, Gol de Esquerda mostra ao leitor uma característica diferente de se escrever poesias, característica essa que talvez seja própria dos poetas orientais. Ao contrário do que estamos acostumados, as poesias de Ronny Someck não seguem um padrão estético e fonético, que as deixam mais “bonitas”, e na maioria das vezes tem uma linguagem complexa. Apesar de uma leitura fácil, em alguns casos pode-se encontrar certa dificuldade de compreensão na primeira leitura, isso principalmente pelo fato do autor fazer comparações ou referências desconhecidas pelo leitor – ainda que existam notas do tradutor.
Ao longo de todo o livro, o poeta faz muitas referências a diferentes culturas e sobre o que é valorizado em diversos países, como o cinema norte-americano. Uma das figuras mais citadas é a atriz Marylin Monroe, que tem um poema dedicado exclusivamente a ela (intitulado Para Marilyn Monroe), onde o poeta diz “Tantas pílulas para dormir jorram / dos olhos arrancados de Marilyn. / Elas passam como um trem pela barreira / dos lábios vermelhos dela e se espelham feito cascalho / sob o trilho das estações quentes do seu corpo”, fazendo assim uma referência à misteriosa morte de uma das atrizes mais conhecidas da história.
Grande fã do futebol mundial, o poema que dá título ao livro de Ronny Someck é uma homenagem ao húngaro Ferenc Puskas, considerado o Pelé do futebol europeu. Nesse poema, Someck conta como que Puskas parou uma sinagoga que era próxima do campo de futebol em que ele estava jogando. Aliás, a capa do livro, que aparentemente não passa de uma imagem abstrata, é uma arte criada pelo próprio poeta para a versão nacional de seu livro e mostra a imagem de um jogador de futebol brasileiro que apenas quem tiver o livro mãos poderá descobrir.

“Sobre o corpo dos cacos os poetas
escrevem poemas. Eu
não. Eu sou geólogo dos estratos de batom
dispostos nos lábios de vidro como um farrapo vermelho tingido
em sangue de touro” (Caco – pág. 45).

Apesar da linguagem um tanto diferente, Gol de Esquerda possui vários poemas que merecem ser lembrados, como Poema da Felicidade, um dos únicos que pode ser considerado romântico; Caco, onde Ronny Someck diz que, ao contrário de outros poetas, ele não escreve com os cacos de um copo quebrado; Primeira Lição do Curso sobre Poesia Exata, do qual encontramos uma conversa entre dois homens, sendo que um deles tenta mostrar quem ele tem vontade de matar; Argélia, em que o poeta diz que se tivesse outra filha daria a ela esse nome; Ars poética ou a diferença entre bola ao cesto e tênis de mesa, narrando a época em que o primeiro poema de Ronny foi publicado e como ele foi descoberto pelos seus companheiros do time de basquete; e por fim Poema Patriótico, que mostra bem a diversidade de culturas em um mesmo país e família.
Os poemas de Ronny Someck são diferentes do que estamos acostumados e por isso, a princípio, a compressão pode ser uma tarefa mais difícil. Isso não significa que o livro não seja rico em conteúdo, já que vai do cinema ao futebol, e da cultura árabe a cultura americana, usando para isso uma linguagem bem humorada, por vezes sensual, e até mesmo debochada, sempre com versos fortes. Para quem vive em um país ocidental, Gol de Esquerda apenas apresenta que, assim como em todas as outras áreas, existem várias formas de se levar a literatura e as palavras poéticas aos leitores, sem que para isso seja necessário fugir dos próprios costumes e características. Com o livro lançado no Brasil, que tem ainda uma conversa do autor com o seu tradutor em 2009, Someck atravessou mais uma fronteira, dessa vez de um país sul-americano, sendo traduzido agora em 37 idiomas.

“Havia um Deus dentro, enrolado no Livro da Torá,
enquanto outro Deus, húngaro, corria lá longe no gramado
e até ele também, assim acreditávamos,
chegava o som das trombetas celestiais” (Gol de Esquerda – pág. 78).

Para adquirir seu exemplar do livro Gol de Esquerda, acesse o site da Annablume Editora clicando aqui.