Ted


Resenha: O brasileiro tem a mania de criar polêmica onde não existe e algumas vezes isso se torna exagerado, sem sentido. Quando o filme Ted chegou aos nossos cinemas, a polêmica foi instalada, mas se isso acontecesse com todos os filmes... Grande parte das comédias não poderia passar em solo brasileiro.
Durante anos, John Bennett (Mark Wahlberg) teve uma grande amizade com o urso Ted (Seth MacFarlane). Essa amizade começou em um Natal quando John ainda era criança e pediu ao Papai Noel que seu urso de pelúcia ganhasse vida. Esse pedido é atendido e a vida de um passa a se confundir com a vida de outro; ambos se tornam verdadeiras celebridades. Os dois estão sempre juntos, mas isso pode mudar quando a namorada de John, Lori Collins (Mila Kunis) faz um ultimato depois de longos anos dividindo a atenção de John com o urso: Ted ou eu.
Como citado, o filme Ted foi vítima de uma grande polêmica ao chegar ao Brasil. Tudo devido às declarações de um deputado que disse não ser um filme adequado para qualquer faixa etária. Quanto exagero! A produção dirigida por Seth MacFarlane tem um humor negro, assim como o uso de drogas, por exemplo, mas essa é uma questão tão antiga e dispensável que não deveria ser alvo dessa polêmica. O fato é que grande parte das comédias, principalmente americanas, usam e abusam desses detalhes. Até mesmo as comédias nacionais são assim; até mesmo desenhos animados – lembrando que o diretor também é o criador de Uma Família da Pesada - são assim, então por que proibir?
A tal polêmica do deputado é vista como um dos motivos de Ted ter liderado as bilheterias no Brasil, mas o filme em si contribui muito para essa liderança. Usando as palavras dos próprios personagens, “esse filme é tão ruim, mas é tão bom”. Ruim, por abusar de uma velha receita já conhecida; bom, por conquistar mesmo usando essa receita que nem de longe está ultrapassada.
Muito divertido, e explorando a cultura social do povo americano, essa produção também se foca na amizade verdadeira e pode até emocionar certos telespectadores. Com uma atuação de gala de Mark Wahlberg e Mila KunisCisne Negro (Resenha), somos envolvidos em uma história que mostra mais do que humor. O romance de John e Lori pode não ser tão desenvolvido, e possui sim altos e baixos, porém a amizade e a forma como o casal lida com ela ficou fantástica. Também nos envolvemos com essa amizade e nos sentimos angustiados quando o protagonista é obrigado a fazer as escolhas, ou o pequeno urso sofre algo doloroso.
Segundo a Lylu, do blog Relíquias da Lylu, o diretor invejou o autor Marcel Colombo na criação de Ted, comparando o urso com o coelho Sr. Fofinho de Al-Aisha e os Esquecidos (Resenha). Essa comparação é mais do que válida e mesmo antes de assistir ao filme sabemos que isso poderá acontecer. E ela está certa, já que Sr. Fofinho se destaca por si próprio, enquanto Ted não é nada sem John. Existe uma química única entre eles e uma amizade sem igual, mas quando está sozinho em cena é apenas um urso que fala... Pelo menos até ter mulheres ao seu redor.
Quem espera diversão, Ted pode ser a escolha certa. Claro que é um filme politicamente incorreto, mas tem uma leve mensagem, mesmo que seja no fundo de sua essência. Altamente recomendado, o filme possui uma trilha sonora agradável e o cenário bem explorado pelo diretor, o que pode satisfazer grande parte dos espectadores. Só não cometa o mesmo erro do deputado e leve uma criança de 11 anos para assistir um filme recomendável para maiores de 16.