Poder Paranormal (Red Lights)


Resenha: Em seu penúltimo trabalho, Enterrado Vivo, o diretor espanhol Rodrigo Cortés mostrou o seu potencial ao agradar com a inovação de um filme em sua totalidade gravado dentro de um caixão. Poder Paranormal, seu novo trabalho em Hollywood, é um filme diferente do anterior, porém certamente também desperta curiosidade do público.
Poder Paranormal tem como protagonistas os estudiosos Margaret Matheson (Sigourney Weaver) e Tom Buckley (Cillian Murphy), que são especialistas em desmascarar qualquer tipo de atividade paranormal suspeita. Até certo momento o trabalho de Margaret e Tom segue com normalidade, sempre estudando tudo com muita precisão, mas isso muda quando Simon Silver (Robert De Niro) volta seus trabalhos depois de trinta anos.
Simon é um vidente cego que se afastou da mídia após ser acusado por um repórter que viria a falecer misteriosamente. Quando o vidente volta com seus trabalhos, os especialistas resolvem estudá-lo com o objetivo de desmascarar o médium conhecido e aclamado por muitos. Isso seria uma missão difícil, porém normal. A grande questão é o motivo de determinados acontecimentos que surgem na vida de ambos após o início desse estudo.
A princípio Poder Paranormal passa a imagem de ser um suspense com pequenas doses de terror, e Rodrigo Cortés, também responsável pelo roteiro e toda a produção, parecia realmente ter essa intenção ao misturar elementos desses e outros gêneros, como o próprio drama. Essa mistura dá certo no início da produção, mas em uma ou outra cena isso se perde de tal maneira que pode desagradar.
O filme tem a clara intenção de mostrar a inexistência de atividades paranormais, tanto que os personagens especialistas no assunto não poupam esforços para revelar a verdade, usando de todas as técnicas que hoje são favoráveis a essas descobertas. Sabendo disso, os mais céticos podem se incomodar com o suspense criado por trás da imagem do famoso médium, enquanto os que acreditam que tudo isso é possível vão se envolver ainda mais com a história.
O fato de várias atividades serem desmascaras pelos protagonistas dá a impressão de que algo acontecerá de forma diferente, mas na realidade as causas que se tornam diferentes, já que eles não estavam acostumados com o que iria acontecer em suas vidas. Percebemos aos poucos que Simon Silver não é um médium qualquer, muito menos um personagem qualquer, por isso apenas um ator de grande qualidade técnica poderia ser o responsável por essa atuação. Cortés acertou em cheio com a escolha de Robert De NiroAs Idades do Amor (Resenha).
Muita coisa envolve o personagem interpretado por De Niro, e o fato desse personagem ser cego é apenas um dos obstáculos que deveriam ser enfrentados por ele. Para muitos isso poderia ser um problema, mas o ator é um nome inquestionável e Simon Silver sempre rouba a cena, principalmente durante suas apresentações, quando cenas improváveis acontecem.
As tais cenas improváveis também podem ser consideradas cenas exageradas, principalmente para os mais céticos – sim, de novo -, que logo na primeira oportunidade poderá deixar de perceber a graça por trás de Poder Paranormal, que tem sim suas cenas tediosas. O que sustenta esse filme não é o estudo e muito menos as possíveis atividades paranormais. Então seria a excepcional atuação de Robert De Niro? Talvez sim, mas também, e principalmente o que pode acontecer com quem se envolve com essas atividades – ou com as pessoas ligadas a elas.