Quando um Estranho Chama (When a Stranger Calls)

Estreia: 03 de fevereiro de 2006

Resenha: Existem dois tipos de filmes perfeitos: os perfeitos por natureza e aqueles que, a cada vez que são assistidos, perdem a perfeição encontrada na primeira vez. Felizmente, ou infelizmente, esse é o caso de Quando um Estranho Chama, filme dirigido por Simon West.
Baseado na lenda urbana The Babysitter and the Man Upstairs, o filme conta a história de Jill Johnson (Camila Belle), uma adolescente com seus problemas comuns nessa fase da vida, e que é contratada durante uma noite para ser a babá dos filhos de um casal. Como as crianças estão dormindo, Jill pensa que terá uma noite tranquila, porém logo ela passa a receber misteriosas ligações que a deixam assustada e preocupada com o que ainda pode acontecer em uma noite que tinha tudo para ser normal.
Como citado, pode ser considerado normal uma pessoa assistir a Quando um Estranho Chama e o considerar um ótimo suspense, o que de fato é, mas na segunda e principalmente na terceira vez, são várias as falhas que são jogadas na cara do espectador, que percebe que nem tudo é perfeito como o imaginado até então.
Não dá para negar que os produtores aproveitaram perfeitamente bem a lenda urbana que serviu de inspiração para o roteiro, que tem a intenção de assustar – ao menos o personagem - e no passado também foi adaptado em um filme de 1979, porém o que passa despercebido em uma primeira vez, não se repete na segunda, como as atitudes inimagináveis em uma situação como a vivida pela personagem. Fica fácil se pegar perguntando: o que você está fazendo? Não faça isso!
Para que tudo funcionasse como funcionou, a adaptação tinha ao seu lado uma casa capaz de causar inveja em qualquer ricaço mundo afora e a tecnologia que contribuía para os sustos da personagem, muito bem interpretada por Camila Belle, tão bela na pele de uma adolescente desesperada em se livrar do desconhecido. A intepretação de Belle também sofre conforme acompanhamos em novas oportunidades, mas uma coisa é clara: ela carrega o filme nas costas e faz toda a diferença.
Em sua parte final, o suspense se une a ação em cenas dignas de aplauso, principalmente por prender a atenção em um clima característico de um bom suspense. Mas até chegar nessa situação, Jill e a polícia cometem erros que poderiam ser evitados, apesar de que no caso da garota conseguimos entender, afinal, e se estivéssemos em uma casa e descobríssemos que havia mais alguém ali, tentando aterrorizar e não poupando esforços para cometer atrocidades? Seria fácil ter a calma de Jill para não sair dali e abandonar as crianças desconhecidas, que seria a opção mais fácil? Provavelmente não, por isso o melhor a se fazer é assistir a Quando um Estranho Chama e apreciar cada detalhe de uma ótima produção - ainda que seu final seja totalmente desnecessário. E tomar cuidado quando receber uma ligação inusitada... O estranho pode estar mais próximo do que você imagina.