Mamonas pra Sempre

Estreia: 17 de junho de 2011

Resenha: Atenção, Creuzebek, ao toque de quatro já vai: já já já, já vai! Assim se iniciava a primeira faixa do único álbum de estúdio gravado pelo grupo Mamonas Assassinas, que se tornou um sucesso em 1995 com a mesma rapidez com que a vida dos cinco jovens de Guarulhos chegou ao fim, de maneira trágica, no ano seguinte. Mas poucos meses foram suficientes para que o grupo se tornasse eterno, assim como sugere o documentário Mamonas pra Sempre.
Apesar de toda a baixaria presente nas letras dos Mamonas Assassinas, o grupo conquistou crianças de 0 a 100 anos ao fazer rock e misturá-lo ao humor, criando um estilo totalmente inédito na época e que serviria de inspiração para bandas que surgiriam posteriormente. Mas antes de todo o sucesso, Dinho, Bento, Júlio, Samuel e Sérgio sofreram para mostrar o valor de seus talentos, já que para alguns, como músicos, eles eram limitados e chegaram inclusive a ser boicotados em um evento na própria cidade de origem da banda.
Com a intenção de mostrar o caminho percorrido pelos cinco jovens desde a formação da banda Utopia, que depois deu origem ao grupo reconhecido nacionalmente, até o sucesso estrondoso conquistado com a gravação do primeiro CD, o diretor Cláudio Kahns comandou o documentário que tem um grande objetivo: mostrar a realidade dos dez meses em que a banda esteve ativamente nos palcos e na mídia em geral.
Com depoimentos de amigos, familiares e profissionais da música, como o grande produtor Rick Bonadio (o famoso Creuzebek), responsável pela divulgação das principais bandas nacionais nas últimas duas décadas, Mamonas pra Sempre é recheado de gravações que mostram o dia-a-dia da banda desde o seu surgimento até o fatídico 02 de março de 1996, quando o avião em que estavam se chocou contra a Serra da Cantareira. Com algumas imagens raras, percebemos que os Mamonas Assassinas não era uma banda comum, já que chegou a fazer cerca de cinco apresentações semanais e era motivo de intensa disputa entre a Globo e o SBT, que sabiam: a presença da banda nos programas dominicais era sinônimo de recorde de audiência.
Mas, além disso, o documentário, que segue a mesma linha conhecida entre outros filmes do gênero, mostra ao menos parcialmente a personalidade de cada um dos membros da banda, focando-se no mais talentoso, o mais engraçado, o mais tímido, etc. Assim sendo, mais do que um documentário que mostra a ida do céu ao inferno de um grande ícone da música, encontramos um documentário simples e verdadeiro, que mesmo não possuindo nada de extraordinário, e até faltar certas coisas, mostra a alegria dos garotos "pós-graduados em falar baixaria” e que permanecerão vivos em nossas memórias para todo o sempre.