Filhos da terra paulista

Homenagem aos combatentes na Revolução Constitucionalista de 1932

Nove dias do longínquo julho de 1932: o dia em que tudo começou. Enquanto para alguns é apenas uma data, para nós é o início de mais um capítulo da nossa história. Uma história que nos dá motivo para bater no peito e gritar com orgulho: somos paulistas! Um grito que ecoa pelas memórias do passado; pelas atitudes do presente; e pela certeza de um futuro marcante. Isso faz parte do povo paulista; da nossa gente!

Nas lembranças dos mais velhos, aquele sábado de 32 foi apenas o estopim de uma revolução que se originou semanas antes, quando as tropas do então governo assassinaram Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo, hoje Heróis da Pátria. Nas páginas dos livros, uma data para deixar viva a memória desses quatro jovens e de tantos que morreram por uma causa: a promulgação de uma nova constituição para o Brasil.

Esse desejo por mudança foi o resultado de uma série de acontecimentos da década anterior, porém a Revolução de 30 foi o ápice de enormes manifestações contra o Golpe Militar que impediu a posse do paulista Prestes e acabou com o nosso direito de liberdade. Queríamos o fim de uma ditadura que ignorava as funções do poder Legislativo e por isso as armas foram levantadas.

Tinha início uma luta por um bem maior e contra 100 mil homens do governo nacional, pouco mais de dez mil combatentes paulistas representaram uma nova nação, também conhecida como São Paulo.

Os desejos dos paulistas movimentaram toda essa pequena nação, que se mobilizou quase por completa. Isso era necessário, afinal, não havia apoio de outros estados e nem mesmo os nossos soldados, em sua maioria simplesmente civis, tinham condições de sair vitoriosos. Sem armamento pesado e contra um exército gigantesco, os nossos soldados mostraram a bravura de ser paulista, algo que só nós entendemos.

Muito foi necessário, no entanto a nossa vontade de fazer com que o conflito armado valesse a pena nos ajudou a resistir por muito tempo e isso nos enche de alegria e orgulho desse estado que, mesmo depois de 32, continuou progredindo e representando a verdadeira nação chamada Brasil.

Não sou um sobrevivente, tampouco vivenciei os 87 dias de combate que resultaram na morte de centenas de pessoas. Não sou um sobrevivente, mas sou filho da terra paulista. A terra de gente guerreira, que assumiu as armas lutando por um ideal e que, mesmo derrotada, ostenta uma bandeira listrada com manchas de sangue e orgulho dos nossos soldados.

Texto escrito para a Associação Cultural Antônio Benedicto Machado Florence e divulgado na imprensa escrita e falada de Espírito Santo do Pinhal.

“Bandeira da minha terra,
Bandeira das treze listas:
São treze lanças de guerra
Cercando o chão dos paulistas!
[...]
Bandeira que é o nosso espelho!
Bandeira que é a nossa pista!
Que traz, no topo vermelho,
O Coração do Paulista!”
– Nossa Bandeira, de Guilherme de Almeida.

Ajude a melhorar o Over Shock! Responda nossa pesquisa de opinião!

4 Comentários

  1. Não sou paulista, mas gostei muito desse texto. Se foi você que escreveu, está de parabéns! Muito bom, mesmo! Escreveu com sentimento. xD

    Parabéns, novamente!

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado, Amanda. Fico feliz que tenha gostado do texto, que escrevi a pedido de Associação Cultural de minha cidade.

    ResponderExcluir
  3. Eurico José Xavier28 de julho de 2013 00:52

    Meus amigos,

    Vamos tornar
    OFICIAL o Hino dos Bandeirantes.

    Entre no
    Google, digite ESTE HINO PARA SÃO PAULO.

    Ao aparecer a
    “Petição” leia com atenção e decida. Acima do texto, aonde aparecer ASSINAR
    ESTE ABAIXO ASSINADO, de o seu VOTO, depois, repasse aos seus amigos para
    que façam o mesmo.

    São Paulo
    agradece



    Clique no link
    abaixo e ouça o HINO DOS BANDEIRANTES que já tem 20.853 visualizações.



    file:///C:/Documents%20and%20Settings/Sergio/Desktop/hino%20dos%20bandeirantes%20-%20YouTube.htm

    ResponderExcluir
  4. Esse texto ilustra muito bem o orgulho de ser filho de uma terra. De lutar contra todas as injustiças que podem aparecer.
    Parabéns pelo texto!!!!

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir