Fale!, Laurie Halse Anderson, tradução de Flávia Carneiro Anderson, 1ª edição, Rio de Janeiro-RJ: Valentina, 2013, 248 páginas.
Skoob: Clique Aqui.

Infelizmente o abuso sexual é uma realidade que está cada vez mais presente em nossa sociedade. Apenas no Brasil, a cada oito minutos uma criança é abusada sexualmente, muitas vezes por pessoas próximas, como familiares e amigos da família. Essa atitude não causa apenas sofrimento e constrangimento momentâneo para a vítima, mas também pode mudar sua vida para sempre.

Em Fale!, um dos mais importantes livros juvenis das últimas décadas, a autora Laurie Halse Anderson surpreende ao contar uma história forte com uma sutileza incomum. Narrado por Melinda, o livro mostra as principais situações vivenciadas pela personagem a partir do momento em que começa a estudar no colégio Merryweather.

Abandonada pelos amigos, ela não tem forças para reagir a todas as humilhações que sofre a partir do momento que chama a polícia durante uma festa promovida pelos veteranos. Sem ninguém ao seu lado, e sem coragem de contar o que aconteceu, Melinda permanece todo o ano letivo sofrendo sozinha. Calada. Se expressando apenas em trabalhos da aula de arte, que a ajudam a enfrentar tudo o que atormenta seu psicológico. Ou será que não?

“Preciso de uma nova amiga. De uma amiga, e ponto final. Não de uma amiga do peito, não de uma íntima, que compartilhe roupas e durma lá em casa, ti-ti-ti e há-há-há. Mas de uma pseudoamiga, de uma descartável. Um simples acessório. Só para que eu não pareça e me sinta tão idiota” (pág. 36).

O primeiro ponto a ser dito sobre Fale! é que poucas vezes um livro demorou tantas páginas para que uma opinião fosse tomada. Não por ser pouco envolvente ou de leitura arrastada, mas sim por tratar de temas importantes de uma forma tão fria, impactante e real. E justamente esse realismo que nos faz refletir durante vários dias sobre como o livro marcou a nossa vida.

No livro responsável por seu reconhecimento mundial, a autora Laurie Halse Anderson deixa de lado qualquer tipo de regra ou estrutura narrativa (o que no início incomodou um pouco) para causar uma aproximação entre o leitor e a narradora dessa emocionante história. E a aproximação não apenas deixa o leitor querendo estar ao lado de Melinda, para ajudá-la se assim for possível, como também causa certo tipo de identificação.

Mais do que tratar o abuso sexual, Fale! retrata a vida comum de uma adolescente com suas angústias, medos e opiniões sobre o mundo. É por isso que o leitor, seja adolescente ou não, consegue se identificar com Melinda conforme essa conta sobre o seu cotidiano em uma espécie de diário onde revela tudo do ambiente escolar e familiar. Impossível encontrar algo mais adolescente do que isso.

E apesar de todo o sofrimento da protagonista, a obra consegue ainda ter o seu tom bem-humorado, o que em muitos momentos é o responsável pela apresentação do psicológico abalado de uma personagem marcante. Sem ter a coragem de falar tudo o que a perturba, ela usa de um tom irônico e sarcástico para revelar o que vê das pessoas ao seu redor e também de situações de sua realidade. Nesse caso, destaca-se principalmente a família, tão abalada quanto a própria narradora.

Fale! mostra também como é a vida de adolescentes que passam por situações constrangedoras, como o bullying, e precisam encontrar formas de lidar com o silêncio e a vergonha de se abrir. Como citado, é a arte que ajuda Melinda a enfrentar, ainda que calada, cada dor que aparece em sua vida – e por isso que a belíssima capa nacional possui uma relação tão forte com a história.

Aparentemente Fale! é uma obra de história simples, porém causa inúmeras reflexões e quando paramos para pensar sobre a mesma, ainda que dias depois, entendemos o motivo de o livro ter sido adotado por escolas americanas e se tornado tão importante para adolescentes do mundo todo. O livro transforma o leitor, assim como a arte transformou a narradora, e envolve de tal forma que possibilita a leitura em questão de horas. Impossível não gostar da obra de Anderson!

Pode não ter cenas de violência, o que seria suficiente para “assustar” certos tipos de leitores, mas nem por isso deixa de ser um livro angustiante. A angústia é causada principalmente pelo teor psicológico, muito grande por sinal, presente durante toda a história, no entanto isso também acontece quando percebemos que tudo retratado é real. O abuso sexual, o bullying, o desrespeito, a despreocupação de terceiros e o afastamento de pessoas são coisas reais. Sendo assim, deixe se envolver com essa história e não costure seus lábios. Fale! Isso pode ser muito importante!

“A médica examina o fundo dos meus olhos com uma luz forte. Será que pode ler os pensamentos escondidos ali? E se pode, o que vai fazer? Chamar a polícia? Me mandar para um hospício? É o que eu quero que faça? Eu só queria dormir. O intuito de não conversar sobre aquilo, de silenciar a lembrança, é fazer com que ela vá embora. Mas não é o que acontece” (pág. 100).

Para adquirir seu exemplar de Fale! acesse o site da Livraria Saraiva clicando aqui.

17 Comentários

  1. Olá, Rick?

    Faz tempo que não passo aqui, pura correria, porque eu amo seu espaço.
    Bem, eu estou bastante curiosa por esse livro. Temas assim são atrativos para mim, porque eu gosto de livros que abordem a 'realidade' de algumas pessoas... Sua resenha, uau, me deixou ainda com mais curiosidade... agora me surpreendeu o fato de a autora não relatar as cenas... isso foi uma surpresa... boa, porque eu acho que não teria muita força para ler um livro tão minuncioso assim... acho que me derramaria em lágrimas...

    bjs,
    Camila Márcia
    @camila_marcia
    De Livro em Livro
    Devaneios Fugazes

    ResponderExcluir
  2. Sua resenha ficou sensacional! Tipo, eu já estava interessado em Fale!, até mesmo porque, ele tem uma fama bem positiva e trata de assuntos delicados, então acho que vale a pena a leitura, mas sua resenha me deixou muito mais curioso para descobrir o drama de Melinda e entender como a autora aborda todos esses elementos. A Valentina acertou em cheio em trazer um título assim para cá :D

    ResponderExcluir
  3. Ricardo, você definiu muito bem o que eu penso da Laurie Halse Anderson, "ela surpreende ao contar uma história forte com uma sutileza incomum". Da autora já li "Garotas de Vidro", que tem como centro a questão dos distúrbios alimentares, uma leitura que eu não sabia o que esperar e acabou por ser incrível, em grande parte pela escrita da autora. Quando soube que a Valentina lançaria "Fale" coloquei na minha lista de desejados e adquiri ele em uma das minhas últimas compras. Confesso que não tinha gostado muito da capa, mas ao tê-la em mãos mudei de ideia, a capa é bem bonita. Ainda não comecei a ler, tenho outros livros na frente (viajantes e empréstimos), mas esse certamente é um dos meus livros que eu mais quero ler. Dei uma folheada nele e percebi que ele tem uma estrutura narrativa um tanto quanto estranha, conforme mencionado na resenha. Sobre não narrar a violência em específico, estava achando que a autora não abordaria mesmo, ela é bem sutil em sua escrita, diferente por exemplo da Alice Sebold, autora de
    Uma vida interrompida, no qual ela narra com detalhes a violência cometida.

    ResponderExcluir
  4. Tem uma adaptação, O Silêncio de Melinda com a Kristen Stewart no papel principal.

    ResponderExcluir
  5. Ricardo! Fantástica sua resenha!

    Não tinha noção da profundidade desse livro, mas com certeza sei que preciso ler!

    Amei!

    Beijinhos

    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  6. Olá, Mila.
    Não se preocupe quanto a isso. Sei bem sobre o tempo, aliás, também estou devendo uma visita para você. Vou tentar corrigir isso o quanto antes.
    Sobre o relato das cenas, eu realmente imaginava que as cenas seriam narradas de forma completa, o que felizmente não aconteceu. A autora conta superficialmente, mas nem por isso menos angustiante e emocionante.
    Espero que você leia e goste da obra.


    Beijos, Mila!

    ResponderExcluir
  7. Muito obrigado, Rizia. Fico feliz que tenha gostado da resenha.
    Espero que leia e goste da obra. Vale a pena!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Laís, a capa de Fale! é realmente bonita e ganha um sentido totalmente novo quando conhecemos a história, por isso ela se torna significativa. Pena que não consegui expressar isso com palavras durante a resenha, mas você entenderá quando realizar a leitura, que eu espero que te surpreenda.
    Em relação ao filme, não sei se apenas eu senti isso, mas concluindo a leitura tive que assistir ao filme na mesma hora (filme que aliás ganhou resenha ainda hoje) e a Kristen conseguiu agradar.

    ResponderExcluir
  9. adorei a resenha, segunda q eu leio esses dias. to querendo ler esse livro olha

    ResponderExcluir
  10. Realmente o livro causa inúmeras reflexões. Já li e gostei demais (: A narrativa, a história, os conflitos... A obra é muito boa!

    Brunna Carolinne - My Favorite Book - @MFBook
    myfavoritebook-mfb.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Gabriela Costa e Silva18 de setembro de 2013 11:58

    Quero muito ler. Conheci agora aqui no blog, e tem um tema bem delicado neh?!
    Parece ser um ótimo livro!

    ResponderExcluir
  12. Vendo a capa nunca imaginaria que o livro era sobre isso!
    Tenho interesse me ler sobre, não tenho nenhum conhecimento mais aprofundado nessa área.
    Ótima resenha. Abraços!


    www.booksever.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Ótima resenha Ricardo! Tô muito afim de ler esse livro!

    meuamigoleitor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. Michelli Santos Prado27 de setembro de 2013 10:39

    Parabéns pela resenha !!Eu gosto de livros que retratem o universo adolescente. E só leio resenhas positivas desse livro, e parece ser um livro bem forte, daqueles que a gente fica dias pensando na trama e já está na minha lista de desejados =)

    ResponderExcluir
  15. Só olhando pra capa, imaginei se tratar de uma trama completamente diferente da que realmente é. Pela sua resenha, percebe-se que o livro é bem denso. A situação que a protagonista passa é muito angustiante. Acho que ser isolado, ser motivos de chacotas e/ou agressões físicas e psicológicas, deve ser uma das piores sensações que uma pessoa possa sofrer. Que bom que a autora teve a sensibilidade de criar um livro como esse, e melhor ainda saber que está sendo usado nas escolas.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  16. Ana Carolina Lopes3 de outubro de 2013 17:36

    Bem , eu tenho um pé atrás com essa autora , me decepcionei demais com Garotas de Vidro e não sei se quero dar uma segunda chance a ela , mas talvez acabe valendo a pena por causa do tema , não sei , quem sabe ?

    ResponderExcluir
  17. Ana, ainda não li "Garotas de Vidro", mas acredito que "Fale!" tem algo muito mais intenso e cativante. Recomendo que você dê uma nova chance.
    Abraços!

    ResponderExcluir