Em qualquer conversa sobre literatura fantástica e de terror um nome é citado de forma muito significativa. Não apenas por ser o percursor dos gêneros, mas também por ter escrito seu nome na história com enredos marcantes, originais e no mínimo inesquecíveis. Por essas e outras características que Edgar Allan Poe é leitura obrigatória.

Representante do romantismo norte-americano, Edgar Poe, como foi registrado, nasceu em Boston em 19 de janeiro de 1809, portanto entre as Guerras Napoleónicas e alguns anos antes da invenção da fotografia, do telefone e da anestesia.

Assim como outros grandes nomes da literatura, Poe também sempre demonstrou seu interesse pela arte. Filho de um ator e uma atriz, o futuro escritor foi abandonado pelo pai com pouco mais de um ano e perdeu a mãe alguns meses depois, sendo acolhido pela família Allan, que lhe deu o sobrenome que assinaria suas futuras obras.

Conhecido por seu estilo boêmio, Poe chegou a se alistar nas forças armadas antes de publicar seu primeiro livro, intitulado Tamerlane and other Poems e publicado originalmente em 1827, dois anos antes do seu segundo livro.

Após servir o exército por dois longos anos e também uma academia militar, Allan Poe se mudou para Baltimore, onde morou com uma tia e sua prima Virgínia, com quem se casaria alguns anos depois. Ainda em Baltimore, passou a escrever histórias ficcionais como forma de garantir sua estabilidade financeira e não demorou a se tornar editor de um importante jornal.

Já morando na Filadélfia, Poe publicou o livro The Narrative of Arthur Gordon Pym e também se tornou editor de uma revista literária, onde publicaria um grande número de artigos, histórias e críticas literárias. Foi nessa mesma época, em 1839, que o escritor publicou uma de suas principais obras: a coletânea Tales of the Grotesque and Arabesque, dividida em dois volumes que teve alguns dos contos publicados no Brasil em Histórias Extraordinárias.

Quando sua esposa Virgínia ficou doente, vítima da tuberculose, o escritor se entregou ainda mais à boemia e rapidamente se mudou para Nova York, onde publicou seu poema mais conhecido: O Corvo, que se tornou uma marca representativa da figura de Edgar Allan Poe.

Ao perder a esposa, o escritor conheceu a poetisa Sarah Whitman, de quem foi noivo por algum tempo. O relacionamento entre os dois chegou ao fim devido ao uso excessivo do álcool por parte do escritor, que voltou para uma cidade em que trabalhou anos antes e iniciou uma relação com uma antiga paixão de infância.

Como citado, Allan Poe é o percursor da literatura fantástica e da literatura de terror, mas também foi fundamental para a criação de outro gênero de extrema adoração: a literatura policial. Mas, sua principal característica estava na forma como trabalhava uma história, possibilitando um envolvimento singular de seus leitores. Isso serviu para deixar histórias macabras e misteriosas com um tom hipnotizante, mostrando a verdadeira personalidade do ser humano, com suas qualidades e principalmente seus defeitos.

Poeta, crítico e contista, Poe teve uma vida sofrida e tinha como característica o grande uso de elementos do romantismo, por isso é considerado o “mais romântico dos principais escritores americanos”. Além disso, explorou o uso do tempo e da ação, além de se aproveitar da narrativa em primeira pessoa, que estreita a relação entre leitor-narrador.

Em sua carreira literária, Poe escreveu, entre outros, os contos “O Gato Preto”, “O Poço e o Pêndulo”, “O Barril de Amontillado” e “Os Crimes da Rua Morgue”, além dos poemas “Annabel Lee”, “A Cidade do Mar” e o já citado “O Corvo”. Ainda serviu de inspiração para o filme O Corvo e as séries The Following e Contos de Edgar, que apenas continuam levando a obra de Edgar Allan Poe para a eternidade.

Assim como suas histórias, a morte de Poe é um verdadeiro mistério e causa debates até os dias de hoje. Encontrado inconsciente em uma rua de Baltimore em 03 de outubro de 1849, foi levado a um hospital e veio a falecer em 07 de outubro, deixando sem explicação o verdadeiro motivo de seu precoce falecimento.

Dois séculos se passaram desde o nascimento de Edgar Allan Poe e o escritor norte-americano continua sendo o represente mor dos principais gêneros da literatura. De Boston para o mundo, Poe serviu e ainda serve como influência para gênios da sexta arte, e isso basta para considerá-lo um Imortal da Literatura, que continuará eternizado nos livros mundialmente conhecidos e também em todos os trabalhos que surgirem graças à inspiração do maior nome da literatura macabra.

“Houve um murmúrio dissonante de vozes humanas! Houve um grande estrondo como o de muitas trombetas. Houve o ranger rouco como o de mil trovões! As paredes em brasa recuaram! Um braço estendido agarrou o meu quando caí, desmaiado, para dentro do abismo. Era o do General Lasalle. O exército francês havia entrado em Toledo. A Inquisição estava nas mãos de seus inimigos” – Edgar Allan Poe em “O Poço e o Pêndulo”.

Edgar Allan Poe - 19/01/1809 - 07/10/1849

10 Comentários

  1. Adorei....sou uma fanática por Edgar Allan Poe, e gostei bastante do post!

    ResponderExcluir
  2. Gabriela Costa e Silva8 de outubro de 2013 16:17

    Também sou muito fã! Ando procurando algum livro que reúna os contos dele, sabe me indicar algum?!

    ResponderExcluir
  3. Gabriela, além do "Histórias Extraordinárias" (Ed. Martin Claret), você pode encontrar contos do Edgar em "A Carta Roubada" (Ed. L&PM Pocket), "Assassinatos na Rua Morgue" (Ed. L&PM Pocket) e "Contos Obscuros de Edgar Allan Poe" (Ed. Casa da Palavra".
    Em breve a Ed. Dracaena também lançará contos do autor. Fique de olho!

    ResponderExcluir
  4. Nunca li nada dele :/ Mas não é por falta de vontade, até tenho, e muita! Todos falam tão bem de suas histórias que fico me sentindo um E.T. por nunca ter lido nenhuma de suas obras HASHASU Mas pretendo mudar isso logo, logo :D

    Brunna Carolinne - My Favorite Book - @MFBook
    myfavoritebook-mfb.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Realmente Poe foi um gênio. De uma certa forma bem a frente de seu tempo. Também tenho um artigo sobre ele, para quem se interessar:

    http://espadaarcoemachado.wordpress.com/2013/03/22/dupin-o-detetive-de-poe/

    ResponderExcluir
  6. Nossa, que vida mais difícil a do Poe. Mas é uma pessoa a se admirar realmente, pois por tudo o que ele passou ainda virou um escritor de nome muito conhecido. Realmente um Imortal da Literatura.

    ResponderExcluir
  7. Michelli Santos Prado22 de outubro de 2013 11:11

    Olá Ricardo! Adorei seu post, confesso que nunca li nada do autor, mas sempre ouse ótimos comentários de seus livros e sempre tive curiosidade de ler alguma obra sua, e depois de saber mais sobre ele, vou com certeza adquirir o mais rápido possível um livro seu.

    ResponderExcluir
  8. Olá, Michelli! Recomendo que faça a leitura de uma obra do Poe o quanto antes. Não sei se é um gênero que você costuma gostar, mas só de ser Poe vale a pena :D
    Obrigado pelo comentário!

    ResponderExcluir
  9. merece reconhecimento até hoje pois foi brilhante, merece respeito

    ResponderExcluir
  10. um mestre, vale sempre lembras desses nomes que fizeram da literatura algo respeitado e valorizado hoje

    ResponderExcluir