Segundo o primeiro parágrafo da lei 11.788 de 25/10/2008:

“Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de educandos que estejam freqüentando o ensino regular em instituições de educação superior, de educação profissional, de ensino médio, da educação especial e dos anos finais do ensino fundamental, na modalidade profissional da educação de jovens e adultos.”

Bonito? Como toda lei deve ser. Infelizmente, só no papel.

O estagiário é visto como bucha de canhão nas instituições em que vai exercer suas atividades e até oferecer sua mão de obra e disposição sem receber salário. No Brasil sua inexperiência com o mundo prático faz com que o termo fique associado à má qualidade. Erraram? Culpe o estagiário.

Nas instituições de ensino, o estagiário é considerado o “aspira (alguém lembra do filme Tropa de Elite?)” e é designado às funções que o professor não tem tempo ou não quer ver uma pessoa competindo com ele em grau de conhecimento ou poder na sala de aula. Por ser um estagiário, ele não só é mal pago (quando é remunerado) como também não tem os poucos benefícios oferecidos a um funcionário público.

Outra forma de contornar: o responsável pela assinatura de documentos dispensa o estagiário “educadamente” e pede para que o mesmo só compareça quando precisar de assinatura de documentação. Muitos aceitam por não querer entrar em uma queda de braço com aquele que pode salvar ou arruinar suas vidas acadêmicas. Isso quando também não ocorre dele ser alvo de uma chantagem do tipo “ou você faz o que eu mando ou eu não assino o seu estágio”. É claro que a vítima pode entrar com recursos e processos. Mas até o caso ser devidamente apurado o culpado tem que arcar com aquilo que nem todo ganho financeiro pode devolver: o tempo perdido.

Uma pena. O estágio é o momento para o estudante colocar em prática o que sabe, ver como é a realidade do produto com o qual vai trabalhar (no caso daqueles que estão tirando uma licenciatura, é a chance de poder enxergar com os próprios olhos como estão as redes de ensino e a situação dos estudantes) e ver se é aquilo mesmo que ele quer para a vida dele. É claro que o sujeito mesmo formado e seguindo carreira, pode abandonar o cargo e se dedicar a outra atividade. O que não é recomendável é que tirem dele a oportunidade de ver com os próprios olhos se é aquilo mesmo que será o seu sustento pelo resto de sua vida ou até mudar de ideia.

PS: peço desculpas a todos pelo atraso em escrever. Creio que a vida de professor é muito mais árdua que a de estagiário.

Sobre o Autor
Davi PaivaDavi Paiva da Silva nasceu em 22/03/1987, em São Paulo – SP. Está cursando Letras na UNICSUL, publicou o texto "18 anos sem Ayrton Senna" no site minilua.com, além de um microconto com a hastag #tweetcontos no twitter DaviTweetcontos e colabora com artigos no blog espadaarcoemachado.wordpress.com. No mundo impresso, participou das antologias de contos Corações Entrelaçados, Névoa, Quimera, Sopa de Letras, Amores (Im)Possíveis, Mentes Inquietas e Livre Para Voar todas da Andross Editora.

Contato: davi_paiv@hotmail.com.

8 Comentários

  1. Iniciei o meu estágio de Língua Portuguesa/Língua Inglesa/Literatura e realmente estagiário é bonito só papel, a gente só serve de "bucha de canhão" e pelo menos o meu nem é remunerado!!! rsrsr Muito bom o texto!

    Beijos!

    Meu Diário

    ResponderExcluir
  2. Realmente, o estagio no Brasil nada mais é que a doação da mão de obra ou venda dela a preço de banana. O que teria que ser parte do aprendizado "a pratica" muitas vezes se torna um trabalho escravo e fútil !!!, e você só aplica o que aprendeu ou aprende o que deveria quando entra no mercado de trabalho da área que se designa///

    ResponderExcluir
  3. Realmente, o estagio no Brasil nada mais é que a doação da mão de obra ou venda dela a preço de banana. O que teria que ser parte do aprendizado "a pratica" muitas vezes se torna um trabalho escravo e fútil !, e você só aplica o que aprendeu ou aprende o que realmente deveria, quando entra no mercado de trabalho da área que se designa///

    ResponderExcluir
  4. Por mais q a culpa dos erros de uma empresa caiam sobre o pobre do estágiário, estou precisando de um viw. Kkk preferência remunerdo. XD
    Legal o texto e o post.

    Bjs bjs bjs Mih!
    Visite: Paradise Books

    ResponderExcluir
  5. Olá Davi,

    Excelente texto, estágio não é fácil, mas se você tiver sorte e estagiar em uma ótima empresa isso o ajudará bastante, mas que muitas das vezes não é fácil é verdade......abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oie!

    Adorei a reflexão.
    Confesso que os estágios que eu fiz eu tive sorte, conheci pessoas maravilhosas e aprendi muito.

    Beijos*

    ResponderExcluir
  7. Olá,

    Ainda não tive a oportunidade de ter um emprego, muito menos de um estágio, o que deve mudar em breve, por conta da faculdade. Estou a procura de um urgente kkkk
    Mesmo com alguns pontos negativos, ainda acredito ser uma ótima forma de aprender. Vendo logo uma dura realidade kkkk

    Sei que isso é meio masoquista, mas quem sabe né.

    Gostei muito do texto!

    Jônatas Amaral
    alma-critica.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Cursei Licenciatura em Artes Cênicas, e passei por dois processos de estágios: O Curricular e o Extra-Curricular. E, graças a Deus, me dei bem nos dois. Em ambos fui muito bem recebido e orientado. Então acho que não posso servir muito de parâmetro, né?!?! kkkkkk
    Mas achei seu texto maravilhoso, Davi.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir