O Clone de Cristo, J. R. Lankford, tradução de Laura Vilaça, 1ª edição, Rio de Janeiro-RJ:
Saída de Emergência Brasil, 2014, 384 páginas.
Skoob: Clique Aqui.

Jesus Cristo é um dos personagens mais importantes da história da humanidade. Independente de suas crenças religiosas, a sua vida está diretamente ligada à de Cristo, não apenas por seu nascimento dividir a história. Cristão ou não, sua vida não seria a mesma caso Jesus não tivesse sido protagonista de um capítulo importante, por isso que a ideia de cloná-lo seria suficiente para abalar o mundo.

Como uma das principais relíquias da época de Cristo, o Santo Sudário de Turim é uma peça que intriga pelos segredos que o envolve. Mas essa peça, que possivelmente contém o sangue de Cristo, leva o conceituado cientista Dr. Felix Rossi a pensar na possibilidade de clonar Jesus, apesar do risco de o sangue não ser do Filho de Deus e o DNA não estar mais intacto.

Além de conseguir um pedaço do Sudário e recuperar as células do tecido, Rossi precisa encontrar uma mulher para gerar a criança. Mais do que isso, o cientista é obrigado a lutar para que seu plano continue guardado a sete chaves, ao mesmo tempo em que descobre segredos de sua família que podem destruir tudo aquilo que acreditava até então.

“Teria Jesus, o Salvador, realmente deitado por baixo daquele pano? Era essa imagem a d’Ele? Eram essas as chagas, as feridas, esse era o Seu sangue? No dia em que Bartolo morresse, seria a face do Sudário aquela que veria – sempre vivo, coroado em glória, mãos estendidas em amor?” (pág. 108).
A ousadia da escritora J. R. Lankford ao escrever O Clone de Cristo não pode ser ignorada, principalmente por até certo ponto esse ser um ótimo livro. Ter como tema a figura de Jesus, que sempre causa polêmica em ficções, já é uma estratégia ousada, mas a autora falou também de clonagem humana, que desde antes do início da década anterior, quando ocorreu a publicação, é um assunto muito discutido pela comunidade política e científica do mundo.

O problema é que essa ousadia demora a deixar o enredo tão rápido e eletrizante como o esperado de um thriller. Desde o início a história tem um tom viciante, o que é necessário ressaltar, mas isso se deve mais à escrita descritiva de Lankford do que simplesmente pelos capítulos iniciais responsáveis pelas boas-vindas.

O que causa a falta das características de um thriller é o início um tanto quanto enrolado, já que possui um mistério totalmente desnecessário. Apesar de ser explicado por ser preciso construir e apresentar os personagens, isso não acontece apenas com fatos de importância. O livro melhora apenas quando a ideia do clone deixa de ser uma maluquice científica para se tornar uma realidade de um grupo com intenções nobres.

A partir desse momento, acompanhamos uma ficção científica responsável por mostrar de perto a clonagem humana, resultando assim em uma infinidade de termos técnicos e passagens médicas. Seria injusto dizer que tal detalhe atrapalha o leitor, já que esse apenas se afasta de sua zona de conforto ao conhecer o trabalho de um obstetra e microbiologista.

Já os personagens possuem alguns dramas estranhos e a autora acaba se perdendo em alguns momentos por explorá-los. Se isso fosse evitado o livro seria absolutamente menor. No entanto esses mesmos personagens são de extrema importância para o desfecho da história, então mesmo aqueles que estão deslocados foram incluídos com um objetivo e isso não demora a ficar claro.

Além disso, como não poderia deixar de ser, a religião está em evidência do início ao fim. É possível perceber várias semelhanças com a história encontrada na Bíblia e tudo está presente exatamente com essa intenção. Com isso, o leitor pode ver O Clone de Cristo como uma ficção científica com alguns momentos de tensão ou uma versão moderna da bela e encantadora história do nascimento de Cristo.

Independente da escolha e apesar das falhas, não deixa de ser um bom livro com direito a Ciência, fé, ação e amor, que juntas insinuam que a Segunda Vinda de Cristo poderia livrar os judeus de uma perseguição que ultrapassou a barreira dos séculos.

“Ouviu Maggie e Frances se aproximarem e sentiu-se preso em um mundo de mulheres, um lugar onde nenhum homem deveria entrar sem armadura – ou elas despedaçariam seu autocontrole. Isso era o que acontecia agora enquanto estava entre aquelas mulheres” (pág. 155-156).

10 Comentários

  1. Oii!
    Comprei o livro depois de uma indicação aqui do blog, mas ainda não li. Amo o gênero, mas pelo visto, o jeito é ler e tirar minhas próprias conclusões. Bjsss

    ResponderExcluir
  2. Olha, eu li uma resenha em outro blog criticando muito este livro, não pelo tema em si, mas pelo enredo que dá voltas e mais voltas, e deixa de ser polêmico para ser sensacionalista. Eu estava muito curioso quanto à obra, até mesmo porque, parece ser no estilo do Dan Brown, mas agora estou com um pé atrás e provavelmente não irei comprar/ler tão cedo, e fico até triste que um autor tenha deixado escapar uma história tão interessante como essa. Vou ler outras resenhas para balancear as opiniões, já que a sua é a segunda que eu leio sobre o livro, rs. Ótima crítica, acho que deu pra ter uma ideia do que esperar do livro: não muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é bem verdade, Joshua, e acho que pode causar muitas críticas dos leitores, como aconteceu na resenha citada por você. Acaba sendo descritivo ao extremo e isso nem sempre é legal; vai depender muito do leitor. Apenas lendo para tirar uma conclusão definitivamente, mas já adianto: de Dan Brown não tem absolutamente nada! Brown é muito mais direto do que Lankford.

      Abraços,

      Excluir
  3. Que ótima coincidência encontrar a resenha aqui, foi este o livro que escolhi para começar a ler nesse feriado, e exatamente como você disse, está demorando um pouco para 'engatar a estória', os personagens secundários ainda são um pouco estranhos para mim, como o morador da cobertura do prédio e o porteiro.
    A carta que Félix recebeu do pai contando sobra família foi uma passagem emocionante e bem escrita na minha opinião. Gostaria de comentar também que os procedimentos para o clonagem, ou o 'passo a passo' é bem detalhado e de fácil compreensão para quem está lendo o livro.
    Gostaria de saber se a editora tem planos de lançar a sequência em breve.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simone, o morador da cobertura foi o personagem mais estranho do livro e ainda arrisco dizer que jamais encontrei alguém como ele em outros livros. Demorei muito pra entender o motivo de tudo o que ele representava.
      Eu esperava uma trama policial, mas curti muito o passo a passo da clonagem, por isso o livro não se tornou uma decepção e ainda o avaliei tão bem.
      Sobre a sequência, não sei dizer quando os livros devem ser publicados, mas a Saída de Emergência tem publicado as continuações sem um intervalo muito grande, então acredito que será em breve. Espero apenas que esse lado policial enfim apareça nos próximos dois títulos.

      Excluir
  4. Quando vi esse lançamento quis muito saber mais sobre a história, assim que foram aparecendo resenhas notei que a maioria eram negativas, falavam que o tema não foi bem explorado, pela premissa eu tinha uma ideia de um thriller totalmente alucinante desde o começo, o que mais me preocupa é ser uma série, já que a autora pode tanto melhorar como piorar nos próximos livros, o bom de acompanhar resenhas é quando eu for ler o livro irei sem expectativas, esperando ser surpreendido.

    ResponderExcluir
  5. Já deu pra perceber que o livro é carregado em relação ao viés religioso. Não tenho religião, mas achei ao mesmo tempo ousado e genial a abordagem dele acerca de um tema tão polêmico. Acho que por se tratar de um livro que trás bastante informações, deve ser uma leitura cansativa mesmo, mas só pelo enredo deve valer a pena.

    ResponderExcluir
  6. Olá Ricardo,

    Esse livro de cara chama atenção pelo título e bela capa, mas não me despertou interesse e sua resenha deixou bem claro o conteúdo do livro....abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. A autora realmente foi extremamente ousada, pois ela só resolveu abortar temas completamente polêmicos nos campos da Religião e da Ciência. Uma pena que ela teve esses pequenos deslizes, como o início um pouco confuso, por exemplo. Mas, mesmo assim, o livro ficou digno de um thriller. Enfim, é claro que vai entrar na minha lista de próximas aquisições.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  8. Oi adorei.. muito obrigado, me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura e digite reverso...a capa do livro é linda ela traz o universo de fundo..abraços. www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?

    ResponderExcluir