Poseidon, Anna Banks, tradução de Carolina Caires Coelho, 1ª edição, Ribeirão Preto-SP:
Novo Conceito, 2014, 288 páginas.
Skoob: Clique Aqui.

Além de uma beleza rara, Emma é uma garota que se destaca entre as demais por ser muito desastrada. Ela não imagina, no entanto, que isso se deve a sua misteriosa origem e que poderia ajudá-la a salvar a vida de Chloe, sua melhor amiga que morre após ser atacada por um tubarão.

No mesmo dia em que perde sua amiga, Emma conhece Galen, príncipe dos Syrenas, que está procurando loucamente por uma garota humana que seja capaz de se comunicar com os peixes. Essa garota possui um Dom especial e é a única que pode salvar o reino de Galen. Quando percebe que Emma talvez seja a garota que tanto procura, ele se aproxima e precisa convencê-la a aceitar o desafio imposto por seu destino.

“Paro a alguns metros da areia molhada e me abaixo, encostando os joelhos no peito. A maré da manhã serve de companhia quando não queremos ficar perto das pessoas. Acalma e conforta sem pedir nada. O sol, porém, pede. Quanto mais alto fica, mais eu me lembro de que nada detém o tempo. Não há como escapar dele. Ele escorre esteja você observando o relógio de seu avô ou o sol” (pág. 36).
Quando a editora Novo Conceito anunciou que havia adquirido os direitos de Poseidon a expectativa em relação a um livro inspirado na mitologia grega foi muito grande. O tema sempre fascinou e, sem conhecer o enredo, esse poderia ser o caso de mais um sucesso, por isso o interesse instantâneo. O problema foi descobrir que esse não era o foco.

Já conhecendo a sinopse, a curiosidade diminuiu consideravelmente. O medo de um livro sem originalidade era grande, assim como a dúvida se seria bom priorizar um livro que poderia ser uma decepção. Felizmente, apesar dos pontos negativos, o trabalho de Anna Banks proporcionou bons momentos e uma mitologia superficialmente inspirada na tão encantadora cultura grega, ainda que esteja longe de ser uma releitura da mesma.

Mesmo não sendo explorado totalmente, o que pode ser explicado por ser o primeiro de uma série e ainda estar dividido em narrativas em 1ª e 3ª pessoa, a mitologia criada por Banks foi a responsável por tornar a obra interessante. Isso porque ela nos apresenta detalhadamente o conceito histórico dos reinos dos Syrenas, assim como as características físicas e culturais desses seres tão individuais. Outro ponto de destaque acontece com o envolvimento entre Syrenas e humanos, já que ver esses seres do mar se adaptando ao nosso mundo é levemente engraçado.

Mas infelizmente a apresentação dos Syrenas é apenas uma parte do que envolve Poseidon. Como outros young adult, quando a autora se foca na personalidade de Emma o livro acaba perdendo seu encanto, o que acontece em demasia. Nem mesmo o bonito romance e a total relação com o mundo dos syrenas impede o incômodo. O problema maior ainda está em algumas das atitudes dos personagens – incluindo a insistência de Emma em dizer aiminhanossa -, que são pouco inovadoras. Essas atitudes mais irritantes nada acrescentam ao desenvolvimento da história.

Ainda que Emma aceite tudo na maior naturalidade do mundo, sem questionar uma única vez a veracidade de sua possível condição ou a lucidez de quem acaba de conhecer, o livro possui um final de tirar o fôlego. Muita coisa fica em aberto, no entanto o último capítulo, em especial, deixa o leitor ansioso pela continuação.

Mais do que conquistar aos 48 do segundo tempo, o final revela a clara possibilidade de tudo melhorar em Of Triton (ainda sem previsão de chegar ao Brasil), segundo título da série O Legado de Syrena. A torcida fica apenas para que na sequência de Poseidon os personagens percebam rapidamente tudo o que fica tão claro quanto dois mais dois igual a quatro. Essa lentidão não é o que podemos chamar de comum e aceitável.

“O cheiro de metal me toma como uma onda. Cheiro? Isso é possível? E então eu vejo. Uma nuvem de sangue. Uma luta. Uma barbatana. Duas barbatanas. Grito. Aquilo me ouve. Eles me ouvem. Param de se mexer, e pedaços de alguma coisa morta cai ao redor deles como confete. Confete sangrento” (pág. 169).

11 Comentários

  1. Nada pior do que ir cheio de expectativas em direção a um livro e no final ele não atender a essas expectativas que você criou. Eu acredito que não leria pelos pontos negativos que você citou. Por exemplo, o fato de autora se focar na personalidade da personagem me faz entender que a narrativa deve ser chata... Eu não gostava de ler Jogos Vorazes porque a autora se dedicava muito no primeiro livro aos pensamentos da Katniss... mas fazer o quê? Cada um com seu estilo.

    Um abraço,
    http://oepitafio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu gostei muito deste volume e com certeza vou seguir a série. Uma pena é o volume 2 ainda não ter data de lançamento.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  3. Oii Ric...
    Tudo bom? Sumida daqui... Já estava com saudades de suas resenhas..
    Essa em especial fiz questão de ler.. Era o livro pelo qual eu estava mais ansiosa pela leitura dos lançamentos de fevereiro da NC. Considerando que eles chegaram só sexta-feira eu não consegui lê-lo ainda.
    Pelo o que você mencionou, eu sou fã de mitologias também e que pena que a autora deixou a desejar no quesito de poder explorar mais esse lado.
    O que você achou ruim, talvez eu possa gostar do foco na personalidade da protagonista, gosto disso, normalmente fico tentando achar alguma semelhança comigo (hahaha estranha eu sei)...
    E pelo visto será mais um daqueles que ficamos aguardando ansiosamente a bendita continuação.. :/
    Adorei a resenha (como sempre :))
    Beijos
    Lylu - Relíquias da Lylu
    http://www.reliquiasdalylu.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Lu! Posso dizer que é sempre um prazer muito grande receber seus comentários, então deixo o convite para que volte sempre *-*
      Sobre a autora ter “explorado a mitologia grega”, acho que como essa não era a intenção (só depois fiquei sabendo disso) isso não pode ser visto como um ponto negativo, mas que ela poderia ter explorado a própria mitologia, isso não tenho dúvidas. Prefiro isso aos dramas, que você certamente irá gostar mais kkkk
      Preciso concordar que esperar a continuação é um grande problema. Espero que ela não demore :(

      Beijos,

      Excluir
  4. Olá Ricardo,

    Gostei muito da sua resenha, pela sinopse não sabia o que esperar desse livro, agora ficou mais claro....vamos ver....abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Ah, que triste :/
    estava com muita espectativas para esse livro, agora dei um brochada (foi a primeira resenha que li sobre ele...). A capa é tãaaaaaaaaaaaaao bonita!

    Beijos!

    Um Metro e Meio de Livros

    ResponderExcluir
  6. Oi Ricardo!!! Esse é um livro que quero muito ler, e estava cheia de expectativas. Agora fiquei um pouco receosa, tendo em vista os pontos negativos que tu citou, uma pena a autora não ter explorado a própria mitologia. Mas vamos ver, depois que eu ler te conto o que achei ;)
    Um abraço!!


    Lara - Magia Literária
    http://www.magialiteraria.com/

    ResponderExcluir
  7. Oie Ricardo, eu também estava super curiosa pra ler esse livro, pelo mesmo fato que você: mitologia grega, mas depois de algumas resenhas eu comecei a desanimar, acredito que a autora centrou mais no romance, na convivência dos humanos com os Syrenas e deixou um pouquinho de lado a mitologia, mas enfim quem sabe isso acontece só no primeiro volume né?! Vamos torcer pra que nos próximos ela abuse mais da mitologia grega!! mesmo assim eu quero ler!
    Beijos!

    Juh
    Meu Diário

    ResponderExcluir
  8. Suuuuuper ansiosa para ler Poseidon, um livro muito aguardado desde antes de a Novo Conceito anunciar o lançamento dele por aqui. Por toda essa animação e por já conhecer os pontos fracos que você ressaltou, Rick, acredito que, ainda assim, me divertirei muito com essa leitura. Acho que será um livro fofo e vou tomar cuidado para não surtar muito com o gancho final, que você disse deixar um gostinho de quero mais. Meu Deus, preciso pegá-lo logo! É bom ler resenhas que possuam ressalvas, você já vai no livro com o terreno preparado e a chance de se divertir com a leitura é maior; como eu fiz com Bruxos e Bruxas. rsrs
    Adorei a resenha, Rick, parabéns! :3

    Beijos,

    Only The Strong Survive

    ResponderExcluir
  9. É incrível como a opinião das pessoas sobre um livro podem ser parecidas (assim como diferentes, claro, né), principalmente com esse livro em particular! Tenho visto exatamente isso por aí: o livro promete, mas acontece outra coisa, aí, bem no finalzinho mesmo, dá uma volta de 180º! Quero ler esse livro só porque... nem sei porque UAHSUHAUHS Acredita que até hoje ainda não recebi a minha caixa da NC que vem com esse livro?! Tô ficando louca de preocupação/medo.

    Brunna Carolinne - My Favorite Book - @MFBook
    www.myfavoritebook-mfb.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Assim que vi capa e título, me interessei instantaneamente. Pois, assim como você, também gosto bastante de Mitologia grega, e quando os autores vão abordar seres que dificilmente vemos por aí, a curiosidade aumenta. Uma pena que a Anna Banks acabou seguindo por um caminha comum demais. Acho que ficou faltando aquele ar de criatividade e surpresa. O negócio é torcer pra que ela dê uma bela melhorada nesse próximo volume.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir