Foto/Reprodução: AP Photo - Eduardo Verdugo
O escritor Gabriel García Marquéz, premiado com Nobel de Literatura em 1982, faleceu nessa quinta-feira, 17, aos 87 anos, em sua residência na Cidade do México. García Marquéz, considerado o escritor de maior importância da América Latina, foi internado no fim de março para tratar de uma infecção pulmonar.

A morte do escritor e jornalista colombiano foi noticiada por alguns dos principais jornais do México e da Colômbia, além de ter sido confirmada por uma fonte próxima a família. Desde a sua internação, muitas informações desencontradas foram divulgadas pela mídia mundial. Poucas horas antes do falecimento do escritor, seu médico pessoal confirmou que o estado de saúde de García Marquéz era delicado e existiam riscos de complicação devido a sua idade avançada.

A última aparição pública de Gabo, como era carinhosamente chamado, aconteceu no dia em que completou 87 anos, em 06 de março, quando saiu de sua casa para cumprimentar os jornalistas. Na ocasião, Gabriel García Marquéz tirou fotos, recebeu presentes, porém não deu nenhuma declaração aos jornais, algo que vinha se repetindo nos últimos anos.

A morte de um dos maiores nomes da literatura mundial no século XX repercutiu no mundo todo. O atual presidente do México, Enrique Peña Nieto, declarou que “com sua obra, García Márquez tornou universal o realismo mágico latino-americano, marcando a cultura de nosso tempo”. Já Juan Manuel Santos, presidente da Colômbia, disse: “Mil anos de solidão e tristeza pela morte do maior colombiano de todos os tempos! Solidariedade e condolências a Gabo e sua família”. A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, também comentou a morte do escritor colombiano: “Dono de um texto encantador, Gabo conduzia o leitor pelas suas Macondos imaginárias como quem apresenta um mundo novo a uma criança”.

Importantes nomes da literatura brasileira também demonstraram a tristeza pela morte do escritor colombiano. Luís Fernando Veríssimo relembrou o humor presente na obra de Gabo: “Ele tinha humor, mas era muito mais que um humorista, ele usava o humor em função de uma visão de mundo que ia muito além”. O poeta Ferreira Gullar ressaltou a importância do realismo mágico para a América Latina ao dizer que “ele (García Marquéz) criou um mundo novo, como todo grande escritor. A nossa América é outra coisa depois que surgiu o realismo mágico”.

Até o momento não há informações sobre o velório e sepultamento do corpo de Gabriel García Marquéz.

Vida e Obra
Gabriel García Márquez nasceu em 06 de março de 1927, na cidade colombiana de Aracataca, e foi criado pelos avós maternos, contadores de histórias que mais tarde influenciariam alguns dos livros do escritor.

Após iniciar os estudos em uma universidade e acabar abandonando antes mesmo de sua graduação, García Márquez começou a trabalhar como jornalista, na mesma época em que participava de um grupo de incentivo à literatura. Chegou a ser correspondente na Europa em meados da década de 50, quando publicou seu primeiro romance, “O Enterro do Diabo: A Revoada”.

Em 1958 se casou com Mercedes Barcha Pardo, com quem teve dois filhos e viveu até o fim de sua vida. Trabalhou também nos Estados Unidos, onde foi perseguido por questões políticas, em especial por seu apoio ao líder cubano e amigo, Fidel Castro. Por essa perseguição, o escritor se mudou para o México, país que mais tarde escolheria para residir fixamente.

Ed. Record - 2010
Como escritor, Gabriel García Márquez foi considerado o principal nome da literatura de língua espanhola depois de Miguel de Cervantes. Seu livro mais importante, “Cem Anos de Solidão”, foi publicado originalmente em 1967 e até hoje já foi traduzido em mais de 35 idiomas. É o livro de língua espanhola mais vendido ao lado da obra-prima de Cervantes, “Dom Quixote”.

Após mais de vinte livros publicados, entre as décadas de 50 e 80, Gabo foi condecorado com o Prêmio Nobel de Literatura pelo conjunto de sua obra, tornando-se o primeiro colombiano a ser agraciado com o Nobel. Segundo a Academia Sueca, responsável pela entrega do Nobel, o prêmio foi “pelos seus romances e contos, em que o fantástico e o real se combinam num mundo densamente composto pela imaginação, refletindo a vida e os conflitos de um continente”.

O trabalho literário do escritor permaneceu até o fim da década de 90, quando foi diagnosticado com câncer linfático. Mesmo durante seu tratamento, publicou a autobiografia “Viver para Contar” (2002) e “Memórias de Minhas Putas Tristes” (2004), seu último romance. A aposentadoria foi confirmada apenas em 2009, quando agentes literários relataram que a fragilidade de sua saúde o impossibilitava a continuar escrevendo. Em 2012, um dos irmãos de García Márquez disse que o premiado escritor sofria há alguns anos com demência senil, o que causava perda de memória.

Gabriel García Márquez é o principal nome do realismo fantástico latino-americano, escola literária que surgiu no século XX durante crises políticas em toda a América Latina entre as décadas de 60 e 70. As obras do gênero unem características do universo mágico à realidade de uma sociedade.

9 Comentários

  1. Minha mãe ficou muito triste com esta notícia, pois ela adora as obras dele. Já eu não li nenhuma delas ainda, mas pretendo, inclusive comprei Cem Anos de Solidão alguns meses atrás. =(

    ResponderExcluir
  2. Fiquei bem triste! Um dos melhores escritores de todos os tempos! Eterno!

    ResponderExcluir
  3. Olá Ricardo,

    Mais um grande escritor se foi e com certeza muitos estão triste, mais faz parte da vida, estou com dois livros dele para ler, vamos ver se esse ano leio...abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. É bem triste quando recebemos uma notícia de uma perda dessas... Mas faz parte do ciclo da vida! Espero que agora ele esteja em um lugar melhor <3

    Brunna Carolinne - My Favorite Book - @MFBook
    myfavoritebook-mfb.blogspot.com.br

    P.S.: Ricardo, também estou torcendo muito para o meu exemplar do selo #Irado chegar logo *-* Nunca li nada da Black, mas as sinopses dos livros dela me despertam curiosidade (:

    ResponderExcluir
  5. O mundo da literatura perdeu um dos seus maiores e melhores representantes, Gabriel García Marquéz teve a coragem de ousar e escrever obras fantásticas, Cem Anos de Solidão e sua família Buendía descobrindo o mundo e as coisas, Memórias de Minhas Putas Tristes, O amor nos tempos do cólera, enfim muitos livros e personagens marcantes, que entreteram muitas gerações e com certeza ainda o farão com muitas outras, sou um grande fã dele como autor e como pessoa, deixou um legado incrível que merece todas as homenagens que vem recebendo.

    ResponderExcluir
  6. Nosso mundo literário perdeu um grande autor infelizmente.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  7. Triste mas a vida é isso mesmo, o importante é o que ele fez vai ficar marcado para sempre, vai passar de geração a geração, assim como vários outros escritores que ja faleceram e mesmo assim continha "vivo" em seus livros.

    ResponderExcluir
  8. Tem algumas pessoas que achamos que nunca iria morrer, e o Gabriel García Márquez era uma dessas. Aliás, autores como ele sempre serão imortais através de suas obras. Foi uma perda irreparável para a Literatura mundial.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  9. Vou ser bem sincera ,não conhecia nenhuma obra dele.Já tinha ouvido falar sobre ele , mas nunca me interessei muito,então não tenho muito o que falar.

    ResponderExcluir