Liberta-me, Tahereh Mafi, tradução de Bárbara Menezes, 1ª edição, Ribeirão Preto-SP:
Novo Conceito, 2014, 444 páginas.
Skoob: Clique Aqui.

A vida de Juliette sempre foi conturbada e sofrida, mas em nenhum momento sua emoção prevaleceu tanto, a ponto de fazê-la passar grande parte do tempo cobrando a si mesma e se sentindo um verdadeiro monstro. Apesar desse sentimento, a cobrança por uma decisão que acalme o seu coração também perturba a jovem, que vive em um mundo distópico e, à sua maneira, tenta tornar sua vida mais fácil ao buscar forças para lutar contra um governo autoritário e capaz de tudo para conquistar seus objetivos.

Com essa história, desde o livro de estreia da trilogia Estilhaça-me, a narrativa de Tahereh Mafi provou ser o grande diferencial do trabalho que conquistou tantos fãs. Como não deve ser novidade para mais ninguém, a maneira profunda como ela apresenta o mundo e seus personagens dá um ritmo próprio ao enredo. Em Liberta-me especificamente, mais do que um bom ritmo de leitura, temos respostas para algumas questões que estavam no ar e revelações surpreendentes.

Não apenas por isso, a continuação de Estilhaça-me merece uma atenção maior. O enredo distópico é um dos mais originais da atualidade e isso fica ainda mais claro com as citadas respostas. Sem contar, claro, a guerra que surge de uma premissa indiscutivelmente interessante e que, além do sistema autoritário natural em todas as distopias, possui ainda os poderes sobrenaturais tão importantes. Assim finalmente torna possível indicar aos fãs de X-Men, afinal tudo é muito parecido.

O que incomoda, e talvez não seja a todos os leitores, é sem dúvida alguma a relação de amor e desejo que forma o triângulo amoroso. Essa relação, muitas vezes doentia, não chega a ser cansativa como em outros casos, porém pelas atitudes de alguns personagens isso já poderia ter sido deixado de lado, possibilitando um desenvolvimento da própria distopia.

O grande motivo do desejo de o triângulo ser deixado de lado se deve muito a Warner, um vilão que amamos odiar. Como provado no conto Destrua-me, volume 1.5 da série, ele é um personagem com uma história tão difícil que consegue cativar por isso. Ele possui motivos para ter suas atitudes maldosas e uma mente complexa. Sua relação com Juliette, a partir de um determinado momento, se torna mais agradável do que Juliette-Adam, por enquanto totalmente descartável.

Por ser um livro maior que o volume anterior, esperamos apenas que a ação e a tensão do enredo também sejam maiores, porém mesmo isso não acontecendo, sempre é mostrado de forma excepcional e marcante. Dessa forma que conhecemos o dom de todos que estão ao redor de Juliette, cada um com sua importância, e percebemos até que ponto ela mesma pode chegar para ajudar.

O teor psicológico, que certamente diferencia a série de outras distopias, está ainda mais evidente, tornando possível mexer com o psicológico do próprio leitor, responsável por acompanhar Juliette aprendendo a controlar o seu dom poder e se aceitar para que seja possível se libertar do passado. Se isso acontecerá, saberemos apenas com Incendeia-me, lançamento do próximo mês de junho da editora Novo Conceito.

“Não precisamos fazer nada, nada para morrer.Podemos nos esconder em um armário embaixo da escada pela vida toda e ela ainda assim vai nos encontrar. A morte aparecerá usando uma capa invisível e sacudirá uma varinha mágica e nos varrerá para longe quando menos esperarmos. Apagará todos os traços da nossa existência nesta Terra e fará todo o trabalho de graça. Não pedirá nada em troca” (pág. 365).

11 Comentários

  1. Olá Ricardo,

    Li e resenhei esse livro no blog e diferente de você não gostei do livro, achei muito inferior ao primeiro, fraco demais, mas vamos ver o terceiro....abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá Rick,

    Ainda não consegui ler Liberta-me, são tanto livros e enfim esse ano coloquei na minha cabeça que vou dar um espaço maior para os livros que compro (porque estou comprando bastante) e quase nunca os lia. Claro que os livros de parceria são prioridades, mas os que compro também serão prioridade este ano.
    Gostei bastante de Estilhaça-me e , sem dúvida, anseio por ler Liberta-me, principalmente agora com data de lançamento de Incendeia-me. Muito feliz.
    Um ponto só que tenho a ressaltar são as capas que, no meu entender, poderiam ter sido todas iguais a capas americanas. Porque, vamos concordar com uma coisa: a capas dos dois primeiros livros não ficaram boas e o pior, vão ficar completamente diferentes em comparação com Incendeia-me. Deixando isso de lado, o que importa mesmo é a história, mas dá uma frustração pegar uma série ou trilogia com capas tão divergentes.

    xoxo
    Mila F.
    @camila_marcia
    De Livro em Livro
    Devaneios Fugazes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mila, preciso concordar com o que você disse sobre as capas. Na verdade até gosto da capa de "Estilhaça-me", mas de "Liberta-me"... O trabalho é péssimo se comparado com o de outros livros da NC. Diferente do novo livro, que é uma capa belíssima. Realmente espero que os livros sejam relançados.

      Beijos,

      Excluir
  3. Olá Ricardo, eu era uma fã dessa trilogia. Na verdade ainda gosto, eu me apaixonei pela escrita da Tahereh logo no primeiro livro, gostei bastante do desenvolvimento da personagem no decorrer do livro, e mesmo com tudo o que é revelado sobre o Warner em seu conto, eu não conseguir torcer por ele Juliette.
    Esperando o lançamento do ultimo livro pela editora, que por milagres será com a capa original, porque eu detesto a capa de Liberta-me que foi quase um reaproveitamento da capa de Estilhaça-me. Confesso que depois do Lançamento de Ignite-Me, recebi inúmeros spoilers e desanimei com o "fim" da história. Mas mesmo assim, quando lançar vou comprar pra ler. :)
    Gostei muito da sua resenha! XD

    Bjs bjs bjs Mih!
    Paradise Books || @ParadiseBooksBr

    ResponderExcluir
  4. Tenho esse livro e por não ter primeiro ainda não li, é uma trilogia que me chama muito a atenção, e sobre as capas realmente, as duas primeiras ficaram muito diferentes da do último livro.
    A autora criou uma distopia nova e trazendo mais elementos, o que enriqueceu a história, mesmo sem ler já gosto do vilão Warner, a guerra que começa a se iniciar, e o fator psicológico como você citou devem nos fazer imaginar e não querermos largar o livro até o final, ainda bem que o último livro vem ai, lerei todos de uma vez só para ficar com uma baita ressaca e sentindo saudades dos conflitos e das descobertas.

    ResponderExcluir
  5. Eu gostei muito de Estilhaça-me, mas confesso que mexeu bastante comigo, então preciso preparar o meu emocional para ler Liberta-me, que eu já comprei, mas está quietinho na minha estante, por enquanto. Espero ficar bem logo para poder lê-lo. =)

    ResponderExcluir
  6. Fiquei muito feliz quando soube que Incendeia-me já será lançado., ainda mais porque esta é uma serie que eu gosto muito.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  7. Oi Querido!
    Eu simplesmente amo essa série! Acho super original! Sou uma mega fã de distopias e essa é uma das minhas preferidas! O triângulo amoroso me incomoda assim como vc! E eu sou apaixonada por Warner! Sim! Ele não é politicamente correto! é um vilão, e no primeiro livro eu gostava muito do Adam, mas o que eu gosto nele é a profundidade psicologia, que faz a gente gostar tanto de um personagens que não devia ser amado, mas é! Concordo também que depois do conto de Warner e desse segundo livro, para mim o casal Juliet- Adam é descartável mesmo! E se vc ler o conto do Adam vai ver que as prioridades de Adam são bemm diferentes de Warner, sendo doentio ou não!
    Parabéns pela resenha!
    Beijos
    http://overdoselite.blogspot.com.br/2014/04/resenha-divergente-divergente-o-filme.html

    ResponderExcluir
  8. Tenho o primeiro livro aqui mas ainda nao li, mas está na minha meta de leitura, acho as capas dos livros bem legais e ouvi falar muito bem dessa série, e ja está perto do lançamento do terceiro livro né... *-*

    ResponderExcluir
  9. Às vezes me pergunto o por quê desses triângulos amorosos em distopias. Não sou contra romances ou esses triângulos em livros do gênero, mas acho que os autores deveriam se prender muito mais no universo criado por eles. Acho que a Tahereh Mafi tem uma história incrível, com personagens mais incríveis ainda, e me vem com um triângulo amoroso completamente desnecessário. Ainda bem que o restante não é de todo mal.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  10. ADOREII Não conhecia o livro ,mas adorei adoro distopias ,e essa capa simplesmente incrível ,serio eu adorei .
    adoro livros que mechem com o psicológico do leitor ,é simplesmente perfeito.

    ResponderExcluir