Foto: Reprodução/Facebook
Com apenas 23 anos e dois livros publicados, o escritor carioca Raphael Montes já é apontado por leitores e críticos literários como uma das grandes apostas da literatura brasileira e recentemente lançou, pela editora Companhia das Letras, o seu novo romance, intitulado “Dias Perfeitos”.

Ainda na fase de divulgação de seu segundo livro, Raphael participou no último domingo, 04, ao lado de Raphael Draccon, Carolina Munhóz e André Vianco, do Festival Literário de Poços de Caldas 2014. Os escritores participaram da principal atividade do último dia do evento, que teve início em 26 de abril.

Ao conceder entrevista exclusiva à plataforma brasileira Widbook, Raphael Montes fez questão de comentar que visitar Poços de Caldas, no Sul de Minas de Gerais, sempre foi uma tradição de família, mas que até então desconhecia a ideia de um festival literário na cidade. Ainda na entrevista, mediada pelo blog Over Shock, o escritor comentou sobre a importância de ter um espaço para a literatura de entretenimento no maior festival temático do país.

Raphael Montes, como diversos outros escritores de sua geração, diz gostar muito de ter contato com seu público. Para ele, que desde o lançamento de “Dias Perfeitos” já participou de eventos em outras três cidades do país, é muito importante “ter um evento em Minas Gerais, que permita que o escritor venha e tenha contato direto com o público”. “Espero que o festival tenha vida longa e que eu volte outras vezes”, completou.

Mas como principal representante da atual literatura policial brasileira, o autor comentou também sobre o cenário do gênero no país. Raphael Montes afirma que é possível encontrar tradições literárias em países europeus e nos Estados Unidos, mas que na América Latina isso é mais raro. “No Brasil mais ainda, ou seja, no Brasil a gente não tem uma tradição literária policial, de autores policiais que escrevem com frequência obras de qualidade”, explica ao dizer que tem tentado mudar a realidade criando essa tradição.

Entre as maneiras encontradas para isso, o autor anunciou que a Companhia das Letras vai criar um blog, onde serão publicadas novidades sobre a literatura policial do mundo, incluindo o Brasil. Além disso, Raphael garante que tudo o que tem feito, incluindo as colunas também para sua atual editora, é para vender seus livros e porque espera “que outras pessoas tomem a iniciativa de escrever seus romances e publicarem”.

O autor disse ainda que para ele “é interessante que tenha mais gente fazendo o que eu estou fazendo”. “É só assim que você consegue criar uma mesa em um evento literário”, disse ao dar como exemplo a própria mesa de escritores de literatura de entretenimento no evento em Poços de Caldas.

Para encerrar, ele citou que a literatura brasileira costuma ser muito rebuscada, mas que apesar de a literatura policial precisar de um cuidado especial com a linguagem, é preciso contar uma boa história. “Precisamos de contadores de história, pessoas que se dispõem a fazer o leitor ficar preso no livro e não conseguir sair dali, o que é muito comum nos Estados Unidos e na Europa, mas no Brasil ainda é raro”, encerrou.

A entrevista completa com Raphael Montes será divulgada em breve pelo Widbook.

Widbook
Criado por brasileiros em janeiro de 2013, o Widbook é uma rede gratuita que já possui mais de 200 mil usuários espalhados pelo mundo e possibilita a publicação e leitura de e-books. Com aplicativos para Android e iOS, o Widbook torna possível uma aproximação entre o escritor e seu leitor, que consegue não apenas colaborar com opiniões, como também acompanhar o processo de escrita de um livro desde o início.

10 Comentários

  1. A primeira coisa que preciso dizer é que amo Poços de Caldas com todas as minhas forças!! Se eu precisasse escolher uma cidade do interior para morar, com certeza ela seria a escolhida. a apresentação mais difícil que fiz na minha vida de atriz foi no teatro daí, foi uma experiência inexplicável e inesquecível. Depois do surto, vamos ao Raphael... rs...

    Li Dias Perfeitos, e o autor escreve realmente muito bem, é literatura policial da melhor qualidade. Porém, um pouco violenta demais para mim. Um escritor brasileiro desse gênero que me agradou muito foi o Felipe Colbert, o livro dele, Ponto Cego, tem coisas pesadas também, mas no meu limite do suportável.

    Adorei essa notícia de que a Companhia das Letras vai criar um blog dedicado ao gênero! Vou acompanhar!

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ju, infelizmente nesse dia não pude aproveitar muito a cidade, já que fui especialmente para encontrar o pessoal da literatura de entretenimento – e não consegui ver todos devido aos horários de ônibus :( -, mas concordo com o que você disse sobre a cidade. Qualquer experiência em Poços, ainda mais com uma apresentação como foi o seu caso, se torna inesquecível. :D

      Eu iniciei a leitura de "Dias Perfeitos" enquanto esperava o evento iniciar e o pessoal chegar, já que cheguei muito cedo, mas gostei muito da história e da escrita. Aliás, também concordo em relação a ser violenta, mas acredito que "Suicidas" seja ainda mais. Como gosto disso... Sim, a leitura foi incrível. Mas também quero conhecer "Ponto Cedo", principalmente depois de ler e gostar de "Belleville". Passei a admirar o Colbert e o Raphael nas últimas semanas.

      Beijos,

      Excluir
  2. Olá Ricardo,

    Creio que o Rafael esteja certo e o grande e merecido sucesso dele com certeza vai contribuir para que possamos ter uma nova sofra de contadores de histórias...abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Eu já era fã do Raphael Montes antes da mesa de literatura fantástica e de entretenimento da Flipoços, e fiquei muito feliz de poder conhecê-lo e conversar sobre seus livros. Ele é super atencioso com os leitores, na verdade todos os escritores que estavam no evento foram super simpáticos e dispostos a ouvir os leitores que lá estavam.
    O gênero policial é meu gênero favorito, fico contente de saber do blog da
    Companhia das Letras.
    Estou super empolgada pelo próximo livro do Raphael, Suicidas ainda é o meu favorito dele.

    ResponderExcluir
  4. Achei brilhante essa frase: “Precisamos de contadores de história, pessoas que se dispõem a fazer o leitor ficar preso no livro e não conseguir sair dali, o que é muito comum nos Estados Unidos e na Europa, mas no Brasil ainda é raro”
    Penso da mesma forma e espero ser esse um desses contadores de histórias e levar ao público leitor, momentos incríveis na sua existência.
    Ainda não tive contato direto com a obra de Montes, mas quero muito ler em breve, poder alcançar um de seus livros e apreciar.
    Tenho uma curiosidade enorme com "Dias Perfeitos"

    Parabéns!

    Jônatas Amaral
    alma-critica.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jônatas, em breve pretendo publicar a resenha de "Dias Perfeitos", mas posso adiantar que é um livro fantástico. Ainda não li "Suicidas", mas apenas com a primeira leitura o Raphael já ganhou um novo fã, principalmente por ter uma escrita tão incrível.

      Abraços,

      Excluir
  5. Ola Ricardo,

    É muito legal essa troca de conteúdos literários no Brasil, e que vem crescendo, e também tirando o nosso país do limbo cultural no quesito literatura.
    Adoro literatura policial, apreciei muito o livro do Raphael, e concordo plenamente quando ele fala que precisamos de mais contadores de história. Por isso dou aqui a dica de um autor, abençoadamente também brasileiro, e que descobri recentemente e que transita nessa seara policial, mas é completamente diferente e original de tudo o que eu já havia lido nesse gênero. Falo do escritor paulista Ricardo Bellissimo, que já publicou 4 livros (um deles premiado) e os livros dele que mais me fascinaram foram “Negro Amor” e “Sombras e Nefastos”, além de “Sufoco”. Recomendo a todos que apreciam literatura forte e contundente, com muito suspense, e escrita com total domínio e maestria da narrativa, além de apresentar ao leitor uma brilhante história.
    Parabéns à literatura brasileira. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sérgio.

      Muito obrigado por seu comentário. Também apreciei a obra do Raphael, mas não conhecia o trabalho do autor Ricardo Bellissimo, por isso te agradeço por essa indicação, principalmente por se tratar de um gênero que aprecio muito. Vou colocar os livros citados na minha lista de futuras leituras e realmente espero ter a oportunidade de conhecer o trabalho do meu xará o quanto antes. Algo que será um prazer, por sinal.

      Abraços!

      Excluir
  6. Posso estar errado, mas concordo um pouco com ele. Que nossa Literatura está crescendo e se diversificando é fato. Já vi bons chick lits, fantasia, magia, sobrenatural, hot, etc. Mas do gênero policial, ainda não vi um que se destacasse (pelo menos não me lembro agora). Enfim, tomara que mais e mais autores desse gênero mostrem todo seu talento.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  7. Realmente a literatura brasileira não teve por muitos anos autores que escrevessem livros policiais bons, o Raphael é um dos muitos que acredito que irão aparecer, se tem um gênero que sou completamente viciado e fascinado é esse, quando um autor consegue prender minha atenção e me surpreender é uma sensação muito gratificante.
    É preciso incentivar mesmo para que cada vez mais, ótimas obras sejam publicadas no mercado nacional, ainda não li nenhum livro do autor, mas pelas resenhas e comentários sei que quando ler gostarei bastante, tomará que ele continue escrevendo e mantendo a qualidade de seus livros, melhorando sempre.

    ResponderExcluir