A Máquina de Contar Histórias, Maurício Gomyde, 1ª edição, Ribeirão Preto-SP:
Novo Conceito (Novas Páginas), 2014, 192 páginas.
Skoob: Clique Aqui.

O escritor best-seller Vinícius Becker está lançando seu novo livro, “A Máquina de Contar Histórias”, quando sua esposa Viviana falece sozinha em um quarto de hospital. Como esteve ausente durante todo o tempo em que sua esposa sofreu por uma doença, ele passa a ser odiado pela filha Valentina e finalmente percebe que a sua ausência foi tão dolorida quanto uma doença capaz de levar as boas pessoas.

Depois de muito sucesso, o mundo perfeito de Vinícius deixa de existir e ele precisa agir de alguma forma para reconquistar o seu espaço na família V. Precisa reconquistar o amor e a confiança da filha mais velha e não cometer os mesmos erros com a caçula, Vida. Além de um ótimo escritor, Vinícius precisa se transformar em um ótimo pai e isso só é possível estando próximo e conhecendo melhor suas próprias filhas.

“O avanço da carreira, e não da doença, assumiu o primeiro lugar em suas preocupações. Quatro anos e meio dedicados à literatura como uma máquina, um robô programado para escrever e não amar. Escrever se tornara um refúgio para a alma, o esconderijo para sentimentos que ele aprendera a não externar” (pág. 34).
Não dá para dizer que Maurício Gomyde é uma máquina de contar histórias, pelo menos não no sentido literal, mas ele consegue trabalhar como uma máquina e ter o diferencial de falar com o coração, enquanto toca o coração dos leitores através da simplicidade de suas histórias. Isso faz dele um dos melhores escritores em seu gênero.

O reconhecimento de uma grande editora pode ter demorado a acontecer, porém o livro A Máquina de Contar Histórias, quinta obra do autor, foi a melhor opção para que o escritor conquiste o grande público. Diferente do que encontramos nos livros anteriores, dessa vez o autor foge do que teoricamente é visto como clichê e trata de questões familiares e do amor de forma singela, encantando como faria em um romance romântico.

Nada disso seria possível sem a força das personagens, que nesse caso mostra a clara evolução do autor com o passar dos livros. É bem verdade que ele sempre nos apresenta personagens carismáticos, retrato de sua própria personalidade, mas aqui tem um toque a mais que faz o leitor sentir amor, ódio, carinho e pena de personagens que acaba de conhecer.

Vinícius Becker talvez seja a personagem mais complexa do autor. Ele representa o aprendizado e consequentemente a evolução de uma pessoa que errou e está disposta a corrigir seus erros. Para isso, conta com outra personagem complexa. Grande responsável pelas mudanças do pai, Valentina é a mais importante para a trama, enquanto que com toda a despretensão de uma personagem secundária, mas de grande importância, Vida é responsável pelos sorrisos durante a leitura. Ela serve como uma espectadora que participa ativamente da evolução das pessoas mais próximas de sua vida, não por menos tem esse nome.

A importância da música nesse caso é muito inferior se comparada com a dos livros anteriores, porém a literatura, como não poderia deixar de ser, é importante a ponto de técnicas de escrita serem abordadas do princípio ao fim. O livro ainda surpreende com algumas de suas passagens e cenas marcantes, apesar de em alguns momentos o amor entre duas pessoas que se completam fazer muita falta. Por sorte, quando menos esperamos, esse pequeno detalhe se revela de forma superficial e ainda assim tocante.

É difícil falar de A Máquina de Contar Histórias, assim como não é possível determinar se é ou não a melhor história narrada por Maurício, já que são sempre bem diferentes e únicas. No entanto, assim como em outras experiências, o leitor sorri e chora com facilidade através de reflexões sobre o amor, a família, o sucesso, a arte e principalmente sobre aquilo que somos e fazemos por quem amamos. A satisfação pela história é demonstrada simplesmente através das inevitáveis lágrimas de felicidade.

“Nada havia sido tão duro quanto você é incapaz de amar. Se Valentina, sangue do seu sangue, achava aquilo, provavelmente ele não teria como negar. E, para se transformar como pai, escritor e ser humano, teria de fazer muito mais do que havia feito até ali. Teria de reaprender” (pág. 96).

7 Comentários

  1. AInda não li nenhuma obra do Maurício, mas confesso que essa me deixou curiosa, tanto pelo título, quando pela capa e a sinopse. Parece ser uma livro que vem mostrar o aprendizado de um personagem tão complexo e ao mesmo tempo envolve os dramas familiares e como o sucesso por vezes pode destruir o relacionamento familiar!!!! Espero poder ler muito em breve!

    Beijos!


    Meu Diário

    ResponderExcluir
  2. Eu já conheço o autor de alguns blogs, e realmente ele é muito bem indicado.
    Acho muito bacana quando podemos acompanhar a evolução da escrita de algum autor, como você citou a do Maurício. Até mesmo escritores a nível mundial como Rick Riordan é notável como sua escrita melhor no decorrer de seus livros.

    Ótima resenha!
    www.booksever.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Ricardo!
    Esse livro é tão lindo *----*
    Foi o primeiro livro que li do autor e agora vou comprar os outros, me encantei pela escrita dele.
    Lágrimas de felicidade, foi exatamente assim que fiquei ao terminar o livro, chorei demais. Valentina e Vida são grandes personagens, cada uma com sua forma de ser, e Vida também me arrancou sorrisos com suas frases, hehehe.
    Parabéns pela resenha!

    Um beijão
    Lara - Magia Literária
    http://www.magialiteraria.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Lara!
      Como grande fã do trabalho do Maurício, posso dizer que fico absolutamente feliz em saber que você se encantou pela escrita. Eu sempre me emociono com os livros dele, então tenho certeza que você vai sentir o mesmo com os outros livros. Não perca tempo! kkkk

      Beijos,

      Excluir
  4. Ain, eu sorri e chorei *---* A Máquina de Contar Histórias tem realmente várias cenas marcantes. Muitas invadem meus pensamentos quando eu menos espero, e, então, eu me emociono de novo, com a mesma intensidade de quando fiz a leitura. Bom, como você sabe, gostei demais desse livro. Foi o primeiro que li do Maurício e mal vejo a hora de ter a oportunidade de ler outro :D

    Brunna Carolinne - My Favorite Book - @MFBook
    myfavoritebook-mfb.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você bem sabe, Brunna, que estava na torcida para que você gostasse dessa leitura, então foi ótimo saber que você gostou do livro e espero que continue gostando das próximas experiências. Maurício é fera! rsrs

      Beijos,

      Excluir
  5. Olá Ricardo,

    Não vejo a hora de iniciar a leitura desse livro, gosto demais da escrita do Maurício e pela sua resenha vejo que não vou me decepcionar...abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir