Sombras e Nefastos, Ricardo Bellissimo, 1ª edição, São Paulo-SP:
Via Lettera, 2003, 120 páginas.
Skoob: Clique Aqui.

As poucas páginas de Sombras e Nefastos não passam a grandiosidade da envolvente trama criada por Ricardo Bellissimo. Considerado o Tarantino das Letras, Bellissimo nos apresenta, em seu romance epistolar, uma série de eventos perturbadores, que entram em conflito com a personalidade de todas as personagens envolvidas direta ou indiretamente com as sinistras cartas – ou com as quais estão ocultas.

A série de cartas tem início já revelando os podres de uma família rica, mas com muitas situações incomuns para a sociedade em geral. Escrita por José Marcos, um dos herdeiros da família Amaral, a carta não apenas revela o incesto cometido pelo patriarca, como também levanta a suspeita de que Ana Carla, a destinatária, pode ser responsável pela morte da própria mãe. Se na primeira carta o leitor já se envolve com a intrigante família, tudo se intensifica com as cartas posteriores, sempre repletas de acusações e revelações surpreendentes.

“Sabe, essas coisas de sexo marcam a gente, moldam profundamente o nosso caráter, e, apesar de tudo, sei que você nunca será capaz de me perdoar. Ou mesmo de me compreender. Pouco importa: não preciso do seu perdão para continuar a minha vida. O jogo da minha vida, se preferir” (pág. 09).
As cartas, no entanto, não se restringem a José Marcos e Ana Carla. O terceiro irmão, Pedro Henrique, é inserido na história, assim como outros correspondentes, para embaralhar a cabeça de quem ousar se aproximar da solução antes do momento ideal. Muitas verdades ainda precisam vir à tona e cada uma delas aumenta o mistério da morte da matriarca e do próprio patriarca, morto após um acontecimento suspeito.

Fato é que tudo se originou no passado, quando o pai abusou de seus filhos e a mãe foi omissa ao relevar, da mesma forma que muitas mães fazem na vida real. Mas engana-se quem pensa que todos os irmãos teriam motivos para estar envolvidos nos dois possíveis crimes. Em um ou em nenhum deles, é provável; nos dois é quase impossível.

Já que Ana amava o pai como o verdadeiro e único homem a satisfazer seus desejos sexuais, ela teria assassinado a mãe para se vingar de sua possível adversária, mesmo que o pai já estivesse morto? Ou um dos dois irmãos homens se aproveitaria da morte do pai para assassinar a mãe? Seria vingança ou apenas a briga pela herança revelando os instintos assassinos dos irmãos Amaral?

O que impede a formação de qualquer teoria, consequentemente de respostas para as perguntas anteriores, não é que apenas as cartas impossibilita um amplo conhecimento das personagens. Acontece exatamente o contrário, porque o modo de escrita é suficiente para que as personalidades doentias sejam reveladas. No entanto, não dá para saber quando cada um está dizendo a verdade e muito menos dá para colocar a mão no fogo por qualquer dos remetentes, que têm muito que esconder.

A incerteza persiste até o último ponto final, sempre revelando ao leitor alguns fatos hediondos que estão mais presentes na vida real do que podemos imaginar, assim como a verdade está escancarada para quem quiser ver – ou souber encarar dessa forma. Se as poucas páginas não mostram como ela é grandiosa, ao menos em seu mistério tão bem elaborado, a escrita fria e objetiva de Ricardo Bellissimo, capaz de causar um misto de sensações, faz a sua parte, tornando tudo no mínimo nefasto. Até mesmo a própria sombra.

“O amor, o verdadeiro amor salva até o pior dos mortais. Se Ana Carla é assim, uma alma incorrigível, a razão é uma só: ela nunca foi capaz de amar. A coitada acha que nutre tais sentimentos, mas, no fundo, mantém uma relação de ódio com Deus e o mundo. Não é capaz nem de amor próprio” (pág. 78).

5 Comentários

  1. Achei este livro Sombras e Nefastos incrível, a trama me prendeu do começo ao fim. E também possui uma narrativa que não perde o fôlego, nem a bravura ou a própria loucura das acusações. É um suspense muito diferente de todos os que eu já tinha lido, e por isso também tanto me surpreendeu. Muito bom que se produzam livros assim em nosso país, e que também possamos cultivar o nosso próprio repertório nesse gênero tão intrigante. A resenha ficou muito bacana. Abraços ao pessoal do Overshock.

    ResponderExcluir
  2. Oi Ricardo, tudo bem?
    Adorei a resenha, nossa esse livro parece ser muito bom! Adoro livros do gênero então estou curiosíssima para conhecer esse.
    Li recentemente um livro todo por meio de cartas e amei, mas era um romance, estou curiosa para ver como esse estilo de narrativa funcionou para esse livro.

    Abraço
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
  3. oi ^^
    Eu não conhecia o autor ainda e comecei a ler a sua resenha... quanto mistério e quantas situações tensas o.O um pai que abusa dos filhos, uma mãe que não os defende, um assassinato e tudo isso sem saber se é por vingança ou herança. Eu acho que se a filha tiver matado a mãe por conta de ciúmes do pai que abusava ela não vou gostar dessa personagem! kkkkkk
    gostei do livro, definitivamente curiosa para ler!

    E eu vou ficar aguardando as mudanças no seu blog ;) Eu tmb n entendo mto, tem mta coisa que apanhei para arrumar lá e muita coisa que ainda precisa de reparos, mas estou contente com as mudanças!

    abraços
    Hey Dudi!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom saber da sua curiosidade em relação ao livro, Juliana. O enredo é muito interessante, por isso merece ser conhecido por um número cada vez maior de leitores.
      Sobre não gostar da personagem, a questão é que você tem motivos para acreditar em tudo, então você não vai gostar dela por um bom tempo. haha Se no final isso mudará, apenas a leitura responderá!

      Vou providenciar essas mudanças sim. :) Espero que você goste tanto quanto eu gostei das suas.

      Abraços!

      Excluir
  4. Olá Ricardo! Confesso que não é meu gênero favorito, mas gostei da resenha. Parece ser bem interessante a história...

    Beijos!
    albumdeleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir