Vida e Obra do Comendador Montenegro, Sônia Maria de Freitas, 1ª edição, São Paulo-SP:
Polo Printer, 2013, 196 páginas.
Skoob: Clique Aqui.

Conhecer o passado é um importante exercício que contribui para que tenhamos o hábito de valorizar a nossa história. Justamente por isso uma biografia que não se constrói apenas pela figura biografada, mas também por sua importância no meio em que viveu, deve ser considerada de grande valor histórico e cultural. Após um longo processo de pesquisa, a historiadora Sônia Maria de Freitas reuniu, em Vida e Obra do Comendador Montenegro – Um Lousanense Visionário no Brasil, uma biografia detalhada de um dos mais importantes representantes da imigração portuguesa no Brasil no século XIX.

Natural de Lousã, distrito de Coimbra, João Elisário de Carvalho Montenegro (1824-1915) marcou seu nome na história por ser um homem à frente do seu tempo. Foi no Brasil, mais precisamente em Espírito Santo do Pinhal-SP, que Comendador Montenegro, como ficou conhecido, fundou a pequena colônia de Nova Louzã com 29 pessoas também nascidas em terras portuguesas.

Se não bastasse o fato de usar mão de obra livre e assalariada, em pleno regime de escravidão, Montenegro ainda lutou por ideais democráticos e humanistas e contribuiu na construção de inúmeras obras fundamentais para o desenvolvimento de Brasil e Portugal, tornando-se um homem de grande influência no meio político.

“Entre as visitas ilustres, em 26 de outubro de 1874, a Colônia recebeu S. Alteza Real o Conde d’Eu, consorte da Princesa Imperial do Brasil. Em 16 de setembro de 1878, o Imperador D. Pedro II visitou a fazenda. A sua comitiva era constituída por diversos Ministros, o Presidente da província de São Paulo, autoridades civis e militares pinhalense” (pág. 51).
Vida e Obra do Comendador Montenegro é uma biografia diferente do que estamos acostumados no meio literário. Antes de tudo, trata-se de um livro sobre uma figura importante, porém que nunca esteve em frente aos holofotes e que por isso sua história é quase que desconhecida pelas novas gerações. O fato é que a história de Comendador Montenegro se confunde com a história de Brasil/Portugal no século XIX.

Além de não ter sido produzida buscando apenas as vendas que a popularidade causaria, a biografia segue uma estrutura mais histórica, o que se explica pelo fato de Sônia Maria de Freitas ser Doutora em História Social. Como a maioria das biografias, a leitura desse livro se inicia um tanto monótona por apresentar, por exemplo, os antecedentes do biografado. A partir do momento em que a figura de Montenegro passa ser a mais explorada, a leitura se torna agradável e consequentemente de grande aprendizado. O problema está no fato de não seguir necessariamente uma ordem cronológica e por possuir seus momentos repetitivos.

Mas vale destacar ainda que, além do conteúdo riquíssimo, é um dos mais belos livros biográficos no quesito estético. Não apenas por suas fotos, naturais em livros do gênero, mas também pelo material usado (totalmente em papel couché fosco), a tipografia, diagramação e pela inovação de um livro em formato paisagem.

Independente disso, percebemos que não se trata de uma obra qualquer, mas de um verdadeiro estudo dedicado aos amantes da história luso-brasileira (ou seja, é para um público bem especifico), que terão a chance de conhecer a história de um homem diferente. Um homem que criou uma colônia exemplar; ajudou na construção de instituições e de uma estrada de ferro que diminuiu os custos do café; fez doações em dinheiro; e preferiu ser enterrado em um túmulo simples que representasse eternamente a sua simplicidade em vida.

“Uma das facetas a destacar do Comendador Montenegro é que ele passou a vida entre livros. Como bibliófilo, Montenegro organizou uma extensa biblioteca em sua fazenda e, embora autodidata, era ele detentor de vasta cultura erudita” (pág. 141).

3 Comentários

  1. Uau, Ricardo, que resenha! Você analisou todas as qualidades do livro e fiquei desejando conhecer este ilustre desconhecido da nossa História. Saber, principalmente, que em plena época de escravidão ele já ousava ir contra o sistema e empregava assalariados livres, já me deixa caída pelo personagem. Adoro o tema e uma biografia de um homem corajoso, arrojado e que lutou e deixou sua marca, acima de tudo, por ser um humanista, além de enriquecer culturalmente o leitor, também alimenta a esperança e a reflexão das nossas causas urgentes atuais.
    Já para os desejados!

    As Meninas que Leem Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado da resenha e se interessado pela história do Comendador. Mesmo sendo natural da cidade em que ele fez seus principais projetos, pouco conhecia sobre sua história e na época em que li (no fim do ano passado), fiquei muito surpreso com tudo o que encontrei. Ele merece ser reconhecido!
      Acredito que o livro não esteja sendo comercializado em livrarias. O valor no lançamento era muito baixo (quase simbólico) e posso dizer que compensa, já que possui um acabamento muito interessante. Caso tenha interesse, posso encontrar para você. :)

      Abraços!

      Excluir
  2. Olá, Ricardo.

    Sempre que visitamos os blogs sempre vejo resenha de determinado tipo de livro, e achei super interessante ver a resenha deste livro.
    Fiquei curiosa quanto ao conteúdo dele, se tiver a oportunidade irei ler com certeza.


    Visite: Paradise Bookss

    Beijos.

    ResponderExcluir