A Menina Mais Fria de Coldtown, Holly Black, tradução de Ana Death Duarte, 1ª edição, Ribeirão Preto-SP:
Novo Conceito, 2014, 384 páginas.
Skoob: Clique Aqui.

Uma infecção obrigou o mundo a passar por mudanças e assim surgiram as Coldtowns, cidades rodeadas por muros onde vivem pessoas infectadas e monstros, representando também presas e predadores. Entrar em uma Coldtown não significa que será possível sair em um futuro. Você está condenado a passar o resto de sua vida preso atrás dos muros.

Atravessar os portões de uma Coldtown pode ser a única salvação de Tana. A garota acaba de acordar, após uma badalada festa da noite anterior, e se depara com sangue e muitos cadáveres. Enquanto tenta entender como aconteceu o massacre, ela se encontra com um ex-namorado e percebe que ele está infectado – ela também pode estar infectada. Os dois, juntos a um misterioso rapaz, buscam a Coldtown mais próxima, o que pode salvar a vida de todos.

“Vampiros eram contos de fadas e magia. Eles eram o lobo na floresta que corria na frente até a casa da vovozinha, o chefão do videogame que poderia ser caçado sem culpa, o monstro que nos tentava a ir à cama dele, a poderosa besta eterna que alguém poderia vir a ser. Os belos mortos, la belle mort. E se, depois de se empanturrarem em uma orgia de morte, eles se tornassem menos adoráveis, se ficassem inchados, purpúreos e horríveis, então escondiam isso bem” (pág. 102).
De tão frequentes que são utilizados na literatura, alguns seres sobrenaturais (como vampiros) nem sempre recebem a atenção que merecem desse que vos escreve – que também não diz isso pela primeira vez. Mas uma hora ou outra alguns livros surgem para surpreender e A Menina Mais Fria de Coldtown foi o primeiro a conseguir isso em alguns meses.

O primeiro capítulo da obra já nos dá uma noção do que será encontrado em quase quatrocentas páginas de um enredo sangrento. Se Holly Black já não tivesse conquistado em Boneca de Ossos, as páginas iniciais de seu mais recentemente romance conseguiria isso sem muito esforço, porque possui um clima de tensão muito peculiar, além de dúzias de corpos e muito sangue, resultado de um massacre sem igual.

A partir do instante que Tana percebe que seu ex-namorado agora representa uma ameaça, o pequeno grupo parte para a Coldtown mais próxima, mas tudo ainda é um mistério para o leitor. Por isso a autora intercala os capítulos entre essa aventura de Tana e explicações sobre o seu próprio passado, bem como o passado e presente de outras importantes personagens.

Apenas com o tempo que percebemos o motivo de o vampirismo assustar, mas também ser encarado com naturalidade. Com as explicações, se torna inevitável a comparação com outras obras que tratam o mesmo tema. Não pelo simples fato de partir do vampirismo, mas porque A Menina Mais Fria de Coldtown possui uma originalidade muito marcante, algo relativamente raro. Apesar de não ser assustador, a obra é sangrenta e sinistra em doses perfeitas.

O engraçado nisso tudo é que a autora chega a brincar com o leitor, dando a impressão que irá se perder. Como se sabe, uma personagem interessante é aquela que tem um motivo plausível para seguir em frente, mas em determinada parte Tana muda seu objetivo principal e aparenta que irá mudar também a essência da obra. Isso causa uma demora excessiva em imaginar possíveis desfechos, ainda que a surpresa seja positiva.

Assim como alguns capítulos possuem certos vícios de linguagem, que podem ser originados pela revisão, nota-se também certa instabilidade no ritmo de leitura, o que não prejudica em nada a apreciação de A Menina Mais Fria de Coldtown. Obra que já recebeu o prêmio de Melhor Livro de Ficção e que sua edição remete à morte, com frases marcantes no início de cada capítulo e com manchas de sangue espalhadas por todas as páginas.

Holly Black é sem dúvida uma autora diferenciada ao trabalhar o sinistro, por isso consegue criar reviravoltas tão instigantes. Dessa forma que conta uma história com uma complexidade muito superior ao de Boneca de Ossos, por motivos óbvios, e que envolve muito mais do que uma infecção ou passado/presente. Ela explora o interior de cada uma das personagens.

“Por um instante, ela se encolheu automaticamente para trás, pensando que ele a morderia. Então, pasma, deu-se conta de que isso não era, de jeito nenhum, o que ele pretendia fazer. Os lábios dele roçaram os dela de leve, como se estivesse lhe dando uma chance de empurrá-lo para longe. Ela apertou os olhos, fechando-os, para bloquear de sua vista a coisa terrível que estava prestes a fazer, e puxou-o mais junto de si” (pág. 149).

9 Comentários

  1. Não dava nada pelo livro, mas parei pra ler a resenha pra ficar por dentro da história... e bem, achei muito interessante essas "Coldtwons", e como a autora trabalha o sinistro e a ficção de forma inovadora e surpreendente. Posso dizer que agora fiquei um pouco curioso para conferir a obra :)

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Olaááá Ricardo!!!
    Nossaaaa, eu estava curiosa por esse livro, mas agora resolvi que vou antecipar a leitura dele. Gostei muito de saber que possui originalidade, e é sangrento e sinistro em doses perfeitas. Sério. Será minha próxima leitura!
    Parabéns pela ótima resenha =)

    Beijokas
    Lara - Magia Literária
    http://www.magialiteraria.com/

    ResponderExcluir
  3. Eu recebi esse livro por aqui, mas ainda não li, nem sei se pretendo fazer isso em breve, mas preciso conhecer algo da Holly e essa parece ser a obra perfeita para começar.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Olá Ricardo! Não imaginava que este livro era tão bom! Vou dar uma chance a ele, com certeza!

    Parabéns pela resenha!

    Beijos
    albumdeleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olááá!
    essa capa me faz parar toda vez que vejo
    mas sempre fico com um pé atras... nao imaginava que era tudo isso não!
    maaaas voce me fez ficar com vontade de conferir! :)

    Um beeijo Lara.
    Blog Meus Mundos no Mundo | | Página Coração Furta-Cor

    ResponderExcluir
  6. Oi, Ricardo!
    Quero muito ler em breve este livro. Assim como você, gostei muito de "Boneca de Ossos" e adorei a narrativa da autora. Esse livro dela parece ser uma leitura deliciosa também. Acredito que gostarei.
    Você teceu comentários tão animadores que provavelmente o lerei ainda este mês. Estou ansiosíssimo. Espero não me decepcionar.
    Parabéns pela resenha!
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.com

    ResponderExcluir
  7. Gostei de Boneca de Ossos, mas acho que por A Menina mais Fria de Coldtown ser voltado para um público de mais idade, eu gostei bem mais deste. *---* Eu não devorei esse livro, a leitura na verdade foi em um ritmo bem normal, mas simplesmente amei a obra <3 Ok, amei de verdade o Gavriel, mas gostei da história também (bem sangrenta) HAHA Caramba, que personagem é esse?! Muito fora dos padrões, bem louco, só que centrado também. Simplesmente fui surpreendida demais por ele.
    Você citou um ponto bem interessante: as frases marcantes no início de cada capítulo. Elas deram um brilho a mais ao livro. Esse estilo foi muito bem bolado!

    Brunna Carolinne - My Favorite Book - @MFBook
    myfavoritebook-mfb.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi guri.
    Já te disse que não consigo te acompanhar, as postagens me deixam zonza (sim, sou desorganizada) e isso porque posso ter certeza se tenho dúvidas sobre um livro é só conferir na sua página que o encontro.
    A menina mais fria de coldtown chamou minha atenção pela bela capa, sinopse intrigante e uma boa nota no skoob. Não conheço a autora, admito que já vi o livro Boneca de ossos e nunca tive o interesse pela obra , mas tú conseguiu prender minha atenção na sua resenha.
    Bah, eu fiquei extremamente curiosa para uma descrição sangrenta e que possua um romance, parece um tipo de livro que vai prender minha atenção. Obrigada por comprometer minha promessa de guardar dinheiro xD

    http://romances-para-te-fazer-feliz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caroline, muito obrigado por seu comentário e por confiar nas opiniões publicadas aqui no blog. rsrs
      Eu já conhecia o trabalho da autora, por isso a expectativa por essa obra era enorme e, como fica claro com a resenha, essa expectativa foi atendida. Tenho quase certeza que você também terá uma ótima experiência com a leitura, por isso espero que tenha a oportunidade de ler o quanto antes. :D Agora estou ansioso pelo livro da Holly Black com a Cassandra Clare.

      Beijos,

      Excluir