Foto: Reprodução
Aos 84 anos, o poeta maranhense Ferreira Gullar se tornou o novo imortal da Academia Brasileira de Letras (ABL). O poeta passará a ocupar a cadeira 37, que pertencia ao tradutor Ivan Junqueira, falecido no último mês de julho. Fundada por Silva Ramos, a cadeira já foi ocupada também por, entre outros, Getúlio Vargas e João Cabral de Melo Neto.

A votação que elegeu Ferreira Gullar aconteceu na tarde dessa quinta-feira, 09, no Rio de Janeiro. Dos 37 votos possíveis, o poeta recebeu 36 deles, enquanto um foi em branco. Com essa expressiva votação, Gullar conseguiu a vaga que também era disputada por Ademir Barbosa Júnior, José Roberto Guedes de Oliveira e José William Vavruk.

Ferreira Gullar, que antes não desejava se tornar um acadêmico, disse ter sido convencido por amigos a se candidatar à vaga deixada por Ivan Junqueira. O poeta ainda ressaltou que substituir Junqueira, de quem era um grande amigo, pesou em sua decisão. Ao agradecer o reconhecimento por parte dos acadêmicos que o elegeram, Gullar disse: “Eu só vou dizer: não sei se poesia é literatura. Fora isso, a gente faz poesia porque a vida não basta”.

Outras duas cadeiras da ABL estão vagas desde o mês de julho, quando também faleceram os escritores João Ubaldo Ribeiro e Ariano Suassuna. As eleições para definir os novos ocupantes acontecerão nos próximos dias 23 e 30 de outubro.

Nascido em São Luís no dia 10 de setembro de 1930, Ferreira Gullar é o maior poeta vivo da literatura brasileira. Sua estreia foi com o livro “Um Pouco Acima do Chão”, publicado originalmente em 1949. Desde então publicou diversos livros de poemas, memórias, ensaios e peças de teatro. Seu mais conhecido trabalho é o livro “Poema Sujo” (1976), escrito no período em que o poeta, após ser exilado durante o Regime Militar, morou na Argentina.

Gullar foi agraciado com o Prêmio Jabuti com os livros “Resmungos” (2007) e “Em Alguma Parte Alguma” (2010), seu mais recente trabalho literário. Também conquistou o Prêmio Camões, o mais importante da literatura de língua portuguesa, em 2010.

A posse de Ferreira Gullar, pseudônimo de José Ribamar Ferreira, acontecerá em até doze meses.

2 Comentários

  1. Oieee! Adorei, muito boa a notícia. Nunca li nada dele, mas parece ser bom...merecido posto.
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
  2. Sou fã de Ferreira Gullar, então acho que foram muito felizes na escolha! Obrigada por compartilhar a notícia, não tinha a menor ideia! =)

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir