Um Passo em Falso, Harlan Coben, tradução de Luciano Machado, 1ª edição, São Paulo-SP:
Arqueiro, 2014, 272 páginas.
Skoob: Clique Aqui.

A amizade entre Myron Bolitar e Horace Slaughter começou na época em que Bolitar era um promissor jogador de basquete, mas o tempo acabou os afastando e apenas dez anos depois que seus destinos se cruzaram novamente. Brenda, a filha de Horace, aos poucos se mostra um verdadeiro talento do esporte, porém para acertar o contrato com a jovem, Bolitar precisa antes descobrir o paradeiro de seu antigo amigo.

Após o sumiço de seu pai, Brenda começou a receber ameaças e, depois de muito resistir, Bolitar aceita protegê-la a todo custo. Mas ele está passando por um momento difícil em sua vida amorosa e estar próximo a ela pode ser irresistível. O problema é que existem segredos envolvendo pessoas poderosas e isso pode colocar a vida de todos em grande perigo.

“Lá está ele. Myron Bolitar. O maior jogador de basquete de todos os tempos desta cidade. Ele teria sido um profissional de primeira linha se… Se. O destino. O joelho. Myron Bolitar. Em parte, uma verdadeira lenda. Em parte, uma advertência para a juventude da atualidade. O equivalente, no campo do esporte, ao carro amassado que se usa para demonstrar o perigo de dirigir alcoolizado” (pág. 155).
Cada nova leitura confirma a teoria de que Myron Bolitar e seu amigo Win formam a melhor dupla da literatura policial contemporânea. Assim como em outros livros, em Um Passo em Falso a dupla protagoniza situações ao melhor estilo Sherlock-Watson, mas claro que essa amizade está longe de ser o foco do livro.

Assim como todos os enredos de Harlan Coben, no livro lançado originalmente em 1998 o passado é o que move toda a trama, mas dessa vez o autor entrega parte do desfecho de bandeja ainda no prólogo. O que poderia acabar com o sentido da leitura, no entanto, quase não faz diferença alguma, afinal conhecer as personagens é suficiente para esquecer pequenos detalhes.

Isso se deve muito ao mistério que envolve a vida de Brenda, capaz de aumentar a adrenalina em alguns momentos de maior tensão. Ainda que seja possível desvendar alguns mistérios muito antes de serem revelados aos personagens, o livro não deixa de ser um dos melhores da série Myron Bolitar. Levando em conta que é o 5º livro da série, dá para imaginar que os seguintes serão ainda melhores — como Quando Ela Se Foi, o 9º volume.

Mas o grande diferencial se deve aos motivos que aos poucos se mostram originais e bem consistentes. Isso costuma acontecer nas obras do mestre das noites em claro, porém nesse caso específico envolve questões políticas e familiares, aumentando assim as possibilidades e impedindo que tudo faça sentido. Acertar o desfecho como um todo definitivamente é querer demais.

Infelizmente nem tudo sai como o esperado, o que não tira o mérito de um dos melhores autores de suspense da atualidade — na verdade só vai contra o desejo pessoal. Após um livro intenso e sarcástico como Um Passo em Falso, resta contar os dias para uma nova aventura ao lado de Bolitar e Win, principalmente porque desapegar das personagens pode ser difícil. Muito difícil.

“Win tinha razão. Ele estava irritando gente poderosa. Podia até estar ajudando, inadvertidamente, aqueles que queriam machucar Anita Slaughter, fazendo com que ela se expusesse e fosse localizada com mais facilidade. Ele sabia que tinha de agir com todo o cuidado. Um passo em falso e… cataploft!” (pág. 178).

9 Comentários

  1. Todos dizem que os livros do autor são muito bons. Mas essa de entregar o mistério do livro logo no prólogo não me agradou em nada. Não sei se leria justamente por isso . kkk
    Beijos
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paloma, realmente não sei se todos compreenderam o que aconteceria já na cena inicial, mas acho que com um pouco de atenção isso acontecer. :x De qualquer forma, o livro é muito mais do que isso e o suspense é convincente, pode ler sem medo. rsrs

      Beijos,

      Excluir
  2. Ain, Harlan <3 Como eu amo esse autor... Confesso que as histórias do Myron não são as minhas preferidas (ok que já li só dois - o 1º e o 9º, mas abafa), só que Harlan é Harlan, e Myron + Win é muito bacana de acompanhar! Quem sou eu para dizer que você está certo em afirmar que "Myron Bolitar e seu amigo Win formam a melhor dupla da literatura policial contemporânea"? Entretanto, aqui estou eu: você está certo. Eles dois juntos são incríveis.
    Esse livro da série me deixou extremamente curiosa, pois acho que algumas coisas sobre a vida pessoal do Myron serão explicadas, e eu preciso disso! HAHA
    A capa é linda, e eu espero poder ler em breve *-*

    Brunna Carolinne - My Favorite Book - @MFBook
    myfavoritebook-mfb.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brunna, como fã do Harlan Coben e leitora da série você tem propriedade para concordar com a minha afirmação. Aliás, fico feliz em saber que não estava exagerando. HAHA Algumas coisas sobre o Myron são explicadas mesmo, por isso que, como respondi em outro comentário, é muito melhor ler a série em ordem cronológica. Quanto mais livros lidos, mais isso se torna um fato. :x

      Beijos,

      Excluir
  3. Ainda preciso ler essa série do Harlan, que é tanto elogiada, mas quero ler por ordem cronológica, mesmo não sendo preciso. Após a pequena decepção com "Seis Anos Depois", ainda não desisti do Coben. Espero que a Arqueiro já complete essa série.

    Abraços,
    - pensamentosdojoshua.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Joshua, assim como os livros da série Alex Cross, recomendo que a leitura dessa série seja feita por ordem cronológica, apesar de não estar fazendo isso. Quando ler vai compreender. :) Em relação a publicação da série, acredito que a Arqueiro vai completar sim, felizmente.

      Abraços!

      Excluir
  4. Oi, Ricardo!
    Eu não leio um romance policial do Coben há um bom tempo. Acho que é descuido da minha parte mesmo. Sempre que venho aqui, quase sempre tem uma resenha de algum livro dele. Devia tomar isso como um lembrete. Hehe
    Sobre este livro, ele pareceu-me ser apenas bom. Não vi nada que o torne surpreendente ou incrível. Mas o leria, com certeza. E você deixou bem claro que é uma boa leitura (mesmo com ressalvas).
    Parabéns pela resenha!
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.com

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Nem conhecia este autor e nem esta série. Pela resenha parece ser muito boa, ainda mais se for no estilo do Sherlock Holmes.
    E que série grande né? 9 volumes? haha
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ane, a semelhança com Sherlock se limita a amizade entre o protagonista e seu melhor amigo. Apenas isso. rsrs No mais, o estilo é bem diferente. :x
      Em relação a série, ela tem dez volumes, mas nenhum título novo desde 2011. Pelo menos isso, né? kkk

      Beijos!

      Excluir