História Bizarra da 2ª Guerra Mundial, Otavio Cohen, 1ª edição, São Paulo-SP:
Planeta do Brasil, 2015, 288 páginas.
Skoob: Clique Aqui.

Ao falar sobre uma guerra, vem logo à mente os possíveis conflitos políticos que causaram o início das batalhas. Ao falar sobre a Segunda Guerra Mundial, a maior de todos os tempos, o que vem à mente é a figura de Adolf Hitler e as bombas atômicas que destruíram duas cidades japonesas, colocando fim a um conflito que já se encaminhava ao sexto ano de sangue e destruição. No entanto, este conflito foi muito além do que está nos livros didáticos e nos bastidores coisas inimagináveis aconteceram.

História Bizarra da 2ª Guerra Mundial, como o próprio título sugere, tem como objetivo reunir o que de mais estranho aconteceu nos bastidores da guerra que ocorreu entre 1939 e 1945. A intenção do autor Otavio Cohen não era simplesmente apresentar o que todos nós estamos cansados de saber, mas mostrar o que raramente foi comentado e assim reunir informações que ajudam a compreender, senão o conflito, como as personagens deste momento históricos agiram longe dos campos de batalha.

Digo isso pois são muitas as histórias de pessoas, anônimas ou não, que protagonizaram desde cenas hilárias até outras que, embora não tenham nada de bizarro, são capazes de demonstrar as particularidades que só acontecem em tempos de guerra. É desse modo que a obra do escritor mineiro narra situações como as dos cachorros que sabiam falar, a ponto de supostamente pronunciar uma saudação nazista, ou de um chefe do exército de Hitler que desembolsou o equivalente a 80 milhões de dólares (5 milhões na época) em um quadro falso. Pobre homem!

No entanto, a intenção não ser ensinar o leitor não impediu que o autor apresentasse pontos fundamentais para o entendimento da Segunda Guerra Mundial. Mesmo alguém que não saiba absolutamente nada sobre este período pode facilmente compreendê-lo, afinal, em uma linguagem simples e ao mesmo tempo muito objetiva, Otavio Cohen consegue fazer um apanhado e apresentar os reais motivos que levaram a eclosão do conflito mais importante da história mundial.

O principal exemplo disso está na introdução das duas primeiras partes do livro. Com maestria, o autor utilizou uma partida de War para explicar como se sucederam os fatos nos primeiros anos de batalha, quando a Alemanha conquistou territórios estrategicamente pensando em como evitar ataques dos inimigos. Ainda que os textos introdutórios não passem de um resumo, eles casam perfeitamente com os fatos narrados ao longo do livro, tornando essa uma leitura agradável para aqueles que, assim como eu, são fascinados pela história dessa guerra mundial.

Mas, talvez pensando em atrair e conquistar também aqueles que não estão acostumados a se aventurar na temática, o autor acaba pecando ao repetir explicações ao longo de seus textos, que podem até ser vistos como crônicas sobre o passado. Basta citar que sempre ao falar da entrada dos Estados Unidos na guerra, Otavio diz que foi devido ao ataque japonês à base norte-americana de Pearl Harbor. Não que não seja importante deixar claro o que levou a atual maior potência do mundo a entrar na guerra, porém não vejo necessidade em exagerar nas repetições.

Em contrapartida, se peca no exagero de explicações, o autor peca (se é que posso usar tal palavra) também por não explorar a participação brasileira no conflito, algo que particularmente estava ansiando encontrar pelo simples fato de ter sido escrito por um brasileiro. Vale lembrar que os brasileiros são cheios de bizarrices e aposto que durante a guerra isso não foi diferente, então imagino o valor que este livro ganharia caso a nossa participação também tivesse sido explorada.

E vale destacar que por ser sobrinho-neto de um combatente, muito me agradaria encontrar histórias de nossos soldados — mesmo que nem sempre bizarro possa ser de fato um elogio.

Com falhas ou não, História Bizarra da 2ª Guerra Mundial reúne mais de cinquentas histórias e por isso pode ser visto como um verdadeiro achado para os aficionados pelo tema. Otavio Cohen fez um brilhante trabalho ao reunir em um único livro tantas informações valiosas para quem deseja conhecer os bastidores deste momento histórico que causou mudanças significativas para a humanidade. Hitler, por exemplo, nunca mais será visto com os mesmos olhos agora que conheço suas manias um tanto quanto questionáveis.

São fatos como tais manias que tornaram possível rir em diversos textos, em especial quando vi do que algumas pessoas foram capazes de fazer, mas como o próprio autor deixa claro no epílogo de seu livro, guerra é guerra e as loucuras não podem jamais fazer com que a violência e as mortes sejam esquecidas. Só assim, lembrando-se do caos causado em outrora, será possível evitar uma nova guerra de proporções mundiais.
“Era com Coca-Cola que os soldados brindavam em ocasiões especiais, como a inauguração de um destróier da Marinha Real Britânica ou o encontro com a tropa soviética no rio Elba. Até em uma missa o refrigerante foi parar, em dezembro de 1944, fazendo o papel de vinho” (pág. 186).

2 Comentários

  1. Me diverti muito lendo esse livro, apesar do tema não ser engraçado. Muito boa a resenha, senti falta também do Brasil nessa bizarrice toda.

    Eliel Carvalho

    resenhista no Dear Book www.dear-book.net
    Facebook https://goo.gl/Ac6G9k
    Twitter @dear_book https://twitter.com/dear_book
    Instagram @dearbookbr https://www.instagram.com/dearbookbr/

    ResponderExcluir
  2. O livro é muito legal, compensa a leitura!!

    ResponderExcluir