Olá, pessoal. Tudo bem?

Vamos já começar este artigo com um exemplo:
"Marcos entrou no quarto dos pais na ponta dos pés enquanto eles dormiam. A carteira de seu pai estava na mesinha de cabeceira ao lado do celular. Só mais alguns passos e ele poderia pegá-la, tirar o dinheiro dela e comprar doces.
Quando estendeu a mão para obter o dinheiro, o telefone tocou e o pai acordou assustado, perguntando:
— Filho, o que está fazendo aqui?"
Ficou ansioso para saber a continuação?

Isso é normal, pois trata-se de um recurso muito utilizado por escritores: o cliffhanger.

Em uma possível tradução, cliffhanger significa "à beira do abismo". Quer dizer quando a situação chega em um ponto altíssimo e a história acaba bruscamente, deixando o público ávido em saber a continuação.
Será que ele vai cair? Não perca o próximo capítulo...
Qual a sua utilidade: prender o leitor (ou espectador, no caso de desenhos ou seriados) e manter a ansiedade, gerando aquele prazer que sentimos ao ver uma narrativa e querer continuar acompanhando-a cada vez mais.
Quem não odeia ver isso nos desenhos e seriados?

Sherazade tinha controle da situação:
sabia que os cliffhangers iriam

mantê-la viva.  E você?
Consegue continuar TODOS os contos
em que deixar os cliffhangers?
Como fazer: divida as cenas (não lembra? Relembre AQUI) e veja qual delas será a que mais vai gerar expectativa (herói entra na caverna, herói encontra o dragão adormecido com um baú cheio de moedas douradas ao seu lado, heroi se aproxima do baú e o dragão acorda... ou a luta do herói contra o dragão?). Pegue esta cena e encerre o capítulo com ela. Você também pode encerrar cenas com os cliffhangers, mas um capítulo que se encerre como no exemplo que dei, gera muito mais impacto.

Um bom escritor divide seus capítulos deixando os cliffhangers no final deles. Um ótimo escritor consegue ter uma média de quantos toques com espaços há em cada página e deixa os cliffhangers no fim para fazer o leitor ficar aguado para ler a página seguinte. Já o escritor ruim vai colocar cliffhangers em contos.

Por quê?

Um conto é um gênero fechado, com começo, meio e fim. A maioria dos escritores iniciantes ou até veteranos que desconhecem o gênero acreditam que podem deixar ganchos no texto para uma possível continuação... mas e se ela não sair? E onde vai sair? Em seu livro solo? Em outra antologia pela mesma editora ou por outra editora? Em que ano? Acha que o público vai lembrar de seu texto para ver a "continuação"?
Claro que nem todos os finais de capítulos precisam ter cliffhangers e nem tudo é mote para criá-los: depois de domesticar um cão, o animal pode deixar de ser um problema na vida do casal. Depois de mudar de casa, os inimigos que atacavam o lar do herói não serão empecilho. Alguns escritores tendem a crer que tudo é motivo para criar cliffhangers, novas tramas e novos objetivos. Querem estender a trama para mais um livro, mais umas 100 páginas ou mais um jogo/temporada. Todavia, cabe ao escritor definir o que quer contar e não ficar "cliffhangerizando" tudo na narrativa.
Naruto: uma saga que demorou uns trocentos capítulos para descobrirmos o "grande vilão".

Por último, um erro crasso de escritores que conhecem o cliffhanger sem dominá-lo é crer que podem terminar um conto ou até um livro e deixar um cliffhanger no final para o leitor imaginar como foi o fim do texto. Sendo o escritor o condutor da narrativa, uma atitude dessas soa, a meu ver, como um "só quero fazer até aqui. Queime fostato e imagine como foi o final". Digo e repito: erro crasso que deve ser evitado a todo custo.

É isso, pessoal. Espero que tenham gostado tanto do meu retorno quanto do meu primeiro artigo de 2016.

Obrigado a todos(as).

Sobre o Autor
Davi Paiva nasceu em São Paulo, Capital, em 1987. É graduado em Letras pela Universidade Cruzeiro do Sul. Participou de várias antologias da Andross, Terracota, CBJE, Navras, Literata, All Print, Aped e Darda Editora. Publica suas obras em diversos sites, entre eles o recantodasletras.com.br
Contato: davi_paiv@hotmail.com.

6 Comentários

  1. Ótimo artigo, Davi. Só lembrando que cliffhangers são recursos maravilhosos para quem publica em formato de novela, um capítulo por vez como no caso do Wattpad. É preciso manter os leitores empolgados entre os dias onde não haverá postagem, e o cliffhanger ajuda a não deixar a história esfriar ;)
    Fernanda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, F. Beleza?
      Tem razão. Todavia, tudo na vida em excesso faz mal. E terminar TODOS os capítulos com cliffhangers pode gerar um pouco de mal estar em certos leitores. Lembre-se que até desenhos dão aquela sensação de término entre uma saga e outra.
      Continue acompanhando meus artigos.
      Abraços.

      Excluir
  2. Muito legal essa dica, Davi. Inclusive é uma das mais importantes para aqueles que desejam escrever um livro... mais longo, no caso um romance. Gostei do modo como você explica também, bastante ilustrativo.
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Paloma.
      Obrigado pelos elogios.
      Continue acompanhando meus artigos.
      Abraços.

      Excluir
  3. Olá Davi!
    Quantas vezes já disse que adoro seus artigos? haha
    Este foi mais um excelente! E está outra coisa que eu uso, mas sem saber o nome. E agora que você tocou nessa coisa de final sem final. O primeiro conto que publiquei pela Andross não tem final não. Ou melhor, ele meio que fica em aberto. Mas não tem essa gancho para nada não. Mas sei lá, eu tive um sentimento de que era para terminar ali. Eu tenho muito disso!
    Agora que sei mais sobre o cliffhanger, usarei com sabedoria, Sensei.
    Beijos! :3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Anelise.
      Que bom que eu a ajudei a entender uma coisa que você sabia instintivamente. É assim mesmo. Eu mesmo demorei a "catalogar" muita coisa...
      Sobre colocar cliffhangers em contos, nada contra. Mas eu prefiro evitar. Sempre procure deixar a situação entre começo, meio e fim. Como tudo deve ser.
      Continue acompanhando meus artigos.
      Abraços.

      Excluir