A primeira publicação de Machado de Assis foram os versos de amor “Meu Anjo”, publicados no jornal “A Marmota”. Desde então o mulato de São Cristóvão revelou-se um escritor muito versátil, tendo transitado por diversos movimentos da literatura de sua época e por vários gêneros literários.

Um fato não muito conhecido da obra de Machado de Assis é sua incursão pela ficção científica, quando esse termo nem sequer existia. Esse fato não só atesta a genialidade do maior escritor brasileiro de todos os tempos, o imortal fundador da Academia Brasileira de Letras, como também atesta sua versatilidade.

Trata-se do conto “O Imortal”, o qual trata de um homem que se vê incapaz de morrer. Ao ler o conto evocamos figuras disseminadas em nosso mundo de cultura pop atual como o Highlander de Russel Mulcahy ou o Wolverine de Len Wein e John Romita (Marvel Comics).

O tema da imortalidade é tão caro à ficção científica que mereceu um verbete na “The Encyclopedia of Science Fiction” de 1993: “A Imortalidade é um dos motivos básicos do pensamento especulativo; o elixir da longa vida e a fonte da juventude são objetivos hipotéticos das clássicas buscas intelectuais e exploratórias”, afirma Brian Stableford, crítico e escritor inglês.

A fonte dos poderes do herói da trama é uma poção indígena, o que poderia caracterizar o conto como fantástico e não ficção científica, não fosse um parágrafo no texto que reproduzimos: “A ciência de um século não sabia tudo; outro século vem e passa adiante. Quem sabe (...) se os homens não descobrirão um dia a imortalidade, e se o elixir científico não será esta mesma droga selvática? ”

O conto foi publicado em 1882, entre 15 de julho e 15 de setembro, em seis partes, na revista feminina carioca “A Estação”. O conto é baseado em um outro conto de Machado chamado “Rui de Leão”, publicado dez anos antes no “Jornal das Famílias”.

As prováveis influências para a produção dessa obra de Machado foram as fantasias góticas de “St. Leon” (1799) de William Godwin, “Melmoth the Wanderer” (1820) de Charles Maturin, “The Wandering Jew” (1844) de Eugène Sue e “Auriol” (1850) de W. Harrison Ainsworth; ou até mesmo um texto de algum imitador dessas obras que as traduziu sem dar o devido crédito e publicou-as como sendo suas, o que era muito usual nas terras tupiniquins de outrora.

Portanto o conto “Rui de Leão” é um marco da literatura fantástica brasileira, e o conto “O Imortal” é um marco da literatura de ficção científica brasileira. Os textos se complementam e é interessante ler ambos em sequência. Abaixo estão os links para a leitura dos textos, que estão em domínio público:

Contos:

Sobre o Autor
Mauricio R B Campos nasceu em São Paulo, em 1977. Com formação em Administração, trabalha no mercado financeiro. É casado e está radicado em São Carlos (SP) desde 2008.
Publicou contos em diversas antologias, dos mais variados gêneros literários, tanto em formato tradicional quanto e-book, das editoras Komedi, Andross, Aped, Ixtlan, Illuminare, Multifoco, Navras Digital, Babelcube Inc., Darda e Buriti.
Como roteirista participará da antologia de HQ "O Rei de Amarelo em Quadrinhos".
Mantém um Website, uma conta no Twitter, Facebook e mais outras tantas redes sociais que não dá conta de verificar, atualizar, postar e compartilhar.

2 Comentários

  1. Olá Mauricio!
    Adorei saber sobre mais essa faceta do Machado. Ele realmente era versátil e um autor bem a frente de seu tempo.
    Deixarei os contos guardados para ler mais tarde!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Machado é o maior escritor brasileiro de todos os tempos. Boa leitura.

      Excluir