As primeiras histórias, Truman Capote, tradução de Clóvis Marques, 1ª edição, Rio de Janeiro-RJ:
José Olympio, 2016, 160 páginas.
Skoob: Clique Aqui.

Quando volto ao passado e releio os meus primeiros textos, agradeço os deuses literários pela evolução pela qual passei ao longo dos anos. Mas apenas a experiência de releitura, e a percepção de tal evolução, muito me deixam feliz e orgulhoso. Não por menos a leitura de Primeiros contos de Truman Capote criou em mim a certeza de que ainda precisarei passar por muitas coisas em minhas aventuras literárias.

Apesar de até então não conhecer absolutamente nada da obra de Truman Capote, escritor que faleceu em 1984, não é de hoje que sei de sua importância para a literatura norte-americana. Portanto a leitura deste livro serve como uma preparação para os grandes clássicos escritos por ele, como “A Sangue Frio” e “Bonequinha de luxo”, que agora entraram na lista dos desejados. Mais do que isso, os textos aqui encontrados dão a certeza de que, embora já fosse um escritor promissor, ele ainda melhoraria muito a qualidade de sua obra.

Se tenho a certeza de que Capote evoluiu até chegar ao auge de sua carreira, também tenho certeza de que sua vida está em seus textos, escancarada para quem quiser ver. Talvez a maior prova disso sejam as dificuldades enfrentadas por ele, com o divórcio de seus pais e a sua própria homossexualidade. Vivendo em uma época em que as pessoas eram ainda mais desprezadas e ignoradas pela orientação sexual, tudo o que passou talvez o influenciou a escrever sobre personagens marginalizados, senão pela sociedade como um todo, ao menos pelas pessoas ao redor.

Também por isso a principal característica de suas personagens é a simplicidade. Não é possível dizer que elas são exemplos de personagens bem construídas, assim como nenhuma história possui qualquer tipo de complexidade, porém todas elas, sem exceção, têm algo marcante a se passar e a consequência é que não são facilmente esquecidas — algo que não costuma acontecer em leitura de antologias.

No caso dessa antologia em especial, ela começa revelando que os contos estão cercados pelo cotidiano, com pequenos detalhes que poderiam facilmente passar despercebidos aos olhos da maioria dos escritores, mas não por Capote, que, ao menos no início de sua carreira, priorizava exatamente esse tipo de história. Tudo é tão simples que, se tivesse mais tempo livre, a leitura seria concluída em questão de poucas horas. A escrita do autor é ao mesmo tempo delicada e intensa, por isso ele não tem dificuldade em transformar o joio em trigo, ou seja, em suas mãos contos comuns se transformam em bons contos.

O fato de as histórias não serem facilmente esquecidas não fazem delas histórias memoráveis. Pelo contrário. Algumas são interessantes mais pelo contexto do que por uma ideia brilhante ou uma escrita genial. A grande realidade é que apenas um dos contos representa bem a importância e o impacto que o gênero tem na formação de leitores e muitas vezes de escritores. O conto em questão é Almas gêmeas; a princípio um papo qualquer entre duas pessoas, mas o conto logo revela a genialidade por trás de Truman Capote, em uma história que me surpreendeu positivamente desde o primeiro momento. Só não se deixe enganar pelo título!

Outro conto que merece destaque é Trânsito para o Oeste, que possui um desfecho até que muito previsível e que, embora em um primeiro momento possa parecer confuso e cansativo, não demora a se mostrar excepcional por explorar as brincadeiras do acaso com a mesma facilidade que narra diversos eventos cotidianos que não têm nada em comum e que ironicamente acabam se interligando de modo brilhante.

No mais, Truman Capote explora o dia a dia de pessoas comuns e, aos poucos, conta histórias sobre acidentes, despedidas, loucuras, mudanças e até mesmo crimes. Devido a simplicidade, não pense que encontrará, na leitura de Primeiros contos de Truman Capote, toda a qualidade literária de um dos maiores escritores do século XX. Isso definitivamente não acontecerá. Porém acontecerá algo tão importante quanto: você conhecerá um artista jovem que está buscando sua evolução antes de finalmente conquistar o mundo através de sua arte.
“Mas ela sabia que tinha mentido, pelo menos mentira para si mesma, pois agora, neste breve momento, sabia que o amava, embora um mês antes estivesse perfeitamente convencida de que era tudo uma bobagem infantil. Mas agora que ele ia embora sabia que não era assim” (pág. 58).

2 Comentários

  1. Rick, achei essa resenha muito interessante, espero um dia ter a oportunidade de conhecer os escritos de Truman.
    :3

    ResponderExcluir
  2. Olá Ricardo!
    Nunca li nada deste autor, mas deve ser bem legal conhecer os primeiros textos. Adorei a resenha!
    Os meus primeiros estão todos guardados, mais infantis e bobos do que qualquer outra coisa.
    Beijos! :3

    ResponderExcluir